Tamanho do texto

Umidade e temperatura alta deixaram times no limite em Manaus, com queda de rendimento e maior risco de lesão

Um dia em Manaus, com clima quente e úmido, outro no calor arretado da litorânea Natal e o terceiro jogo na baixa umidade de Brasília. Isso para ficar só em um exemplo. Muito mais do que a quilometragem que as seleções precisaram percorrer na primeira fase da Copa, foi a alteração de clima uma das maiores dificuldades apontadas pelos jogadores. Especialistas ouvidos pelo iG concordam que a justificativa dada por muitas equipes eliminadas tem fundamento, mas não é para tanto.

Jogadores da Itália pedem pênalti em lance do duelo contra a Inglaterra em Manaus
Darren Staples/Reuters
Jogadores da Itália pedem pênalti em lance do duelo contra a Inglaterra em Manaus

Os jogadores italianos já começaram a Copa reclamando do clima. “É um calor infernal”, disse o meio de campo Andrea Pirlo após o jogo de estreia contra a Inglaterra, em Manaus. Os termômetros registraram 32°C e a umidade do ar era de 80% no dia em que a seleção italiana estreou ganhando da Inglaterra por 2 a 1. Os outros jogos da seleção italiana foram em Recife e Natal, quando foi eliminada.

Leia mais:
Cobrar escanteio e ler ao mesmo tempo: treino visual melhora atuação de jogador
Velocidade e força muscular: veja o perfil físico de um jogador de futebol
Cabecear a bola pode fazer mal para o cérebro

“O problema não está nas altas temperaturas, mas na umidade, que aumenta a sensação de calor. Isso interfere no desempenho dele”, explica o médico e professor da Unifesp, Fernando Baldy dos Reis. “Eles estão jogando no limite, mas até mesmo por causa do preparo físico que têm, eles se acostumam com a sensação térmica sem muito sofrimento", comenta.

O fisioterapeuta Marcel Sera alerta também para o risco maior de lesão que a combinação de alta temperatura e alta umidade do ar pode resultar. Quanto maior a temperatura, mais rapidamente o corpo aquece e sobrecarrega os mecanismos de resfriamento, exigindo aumento do gasto de energia do corpo. “Isso faz crescer o desgaste muscular dos jogadores. Com a fadiga, a reação natural é que o músculo se contraia, ficando mais difícil de exercer a função e aumentando o risco de lesão”, diz.

Acompanhe as notícias da Copa do Mundo

Mesmo com as equipes jogando no limite, as disputas na temida Arena Amazônia renderam bons espetáculos. Não teve corpo mole. O jogo entre a Inglaterra e a Itália está entre os melhores da Copa até agora. O empate de EUA e Portugal também foi emocionante, com gol nos acréscimos.

Reis explica que a temperatura ideal para a prática de esportes é 25ºC com umidade baixa, pois como a temperatura corporal dos jogadores é de 36ºC ou 36,5ºC a diferença de 11ºC facilita a troca de calor. “Com mais de 35ºC de temperatura ambiente, o corpo não troca calor com o ambiente. O jogador pode passar mal e até desmaiar. Lá nos países árabes é que vai ter problema, pois a temperatura vai ser maior que a temperatura corporal dos jogadores”, diz

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.