Tamanho do texto

Ebola já matou mais de 460 pessoas desde primeiro registro na Guiné, em fevereiro; doença mata até 90% dos infectados

BBC

O Ministério da Saúde de Gana informou nesta segunda que o país está tratando um caso suspeito de ebola em um cidadão americano. O homem está internado em uma clínica na capital, Acra, no aguardo de resultados de exames de sangue para confirmar a contaminação ou não da doença.

Veja imagens do maior surto de ebola da história, que começou em fevereiro:

O paciente e os funcionários da clínica estão de quarentena e receberam roupas especiais. A embaixada dos Estados Unidos em Acra afirmou que foi informada de que um cidadão americano está passando por exames.  Por enquanto, as autoridades não darão mais detalhes do caso, segundo a agência de notícias Reuters.

O vírus ebola já matou mais de 460 pessoas desde seu primeiro registro na Guiné, em fevereiro. De lá para cá, se espalhou para os países vizinhos, Libéria e Serra Leoa. A doença mata até 90% das pessoas infectadas.

Não há vacina ou cura. O vírus se espalha pelo contato direto com fluidos corporais de uma pessoa infectada, tais como sangue e secreções.

O Ministério da Saúde de Gana disse que foram tomadas "medidas de precaução" para conter a transmissão e recomendou a população a permanecer calma.

"Gostaríamos de garantir ao público em geral que temos tudo sob controle", disse o porta-voz do Ministério, Tony Goodman.

Evitar contaminação

Em abril, as autoridades de saúde de Gana afastaram a contaminação de uma menina com suspeita de ebola após receber os resultados do exame de sangue. Na semana passada, os ministros da Saúde de 11 países do oeste da África se reuniram em Acra para discutir o combate à doença e prometeram um trabalho em conjunto para enfrentar o ebola.

A doença já infectou 759 pessoas na Guiné, Libéria e Serra Leoa. A maioria dos 467 mortos pelo ebola são da região de Guekedou, sul da Giné, onde os primeiros casos surgiram. Mas as autoridades de saúde afirmam que as fronteiras permeáveis do país permitem que pessoas infectadas acabem levando o vírus para outros países.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.