Tamanho do texto

Sheik Umar Khan tratou mais de 100 pacientes; desde fevereiro ebola matou 670 pessoas em Guiné, Libéria e Serra Leoa

Virologista morreu na tarde desta terça-feira (29), menos de uma semana depois que o diagnóstico foi anunciado
Reuters
Virologista morreu na tarde desta terça-feira (29), menos de uma semana depois que o diagnóstico foi anunciado

O médico que liderava os esforços de Serra Leoa contra o pior surto de ebola da história morreu nesta terça-feira após ser contaminado pelo vírus, disse a principal autoridade de saúde do país.

A morte de Sheik Umar Khan, que tratou mais de 100 pacientes, ocorre após o falecimento de dezenas de funcionários da saúde e a infecção de dois médicos norte-americanos na vizinha Libéria, destacando os perigos enfrentados pela equipe que tenta conter a propagação da doença na África Ocidental.

Acredita-se que o ebola tenha matado 672 pessoas em Guiné, Libéria e Serra Leoa desde que o surto começou, em fevereiro, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). A doença contagiosa, que não tem cura conhecida, tem sintomas que incluem vômitos, diarreia e hemorragia interna e externa.

Leia: Contra estigma, altas de ebola têm 'ritual do abraço', diz médica brasileira

Khan, de 39 anos, saudado como um "herói nacional" pelo Ministério da Saúde, havia sido transferido para uma enfermaria gerida pela instituição Médicos Sem Fronteiras no extremo norte de Serra Leoa.

Ele morreu na tarde desta terça-feira (29), menos de uma semana depois que o diagnóstico foi anunciado, e no mesmo dia em que o presidente de Serra Leoa, Ernest Bai Koroma, deve visitar o centro de tratamento do médico na cidade de Kailahun, no nordeste.

Veja imagens do maior surto de ebola da história:

"É uma grande e irreparável perda para Serra Leoa, já que ele era o único especialista do país em febres hemorrágicas virais", disse o médico-chefe, Brima Kargbo.

Sistemas de saúde fracos estão se esforçando para conter a doença, apesar da ajuda internacional que inclui desde médicos a equipamentos de segurança.

A taxa de mortalidade da epidemia atual é de cerca de 60 por cento, embora a doença possa matar até 90 por cento dos infectados.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.