Tamanho do texto

De acordo com presidente da instituição, a possibilidade de haver casos da doença no Brasil é muito remota, porém País não pode ficar despreparado; epidemia já matou 1,2 mil

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde, está capacitando cerca de 50 pessoas, de faxineiros a médicos da instituição, para atender e tratar pacientes infectados pelo vírus ebola que entrarem no Brasil. A epidemia afeta quatro países africanos e matou mais de 1,2 mil pessoas desde março deste ano.

Hospital alemão tem área isolada para tratamento de doenças como ebola 13
Getty Images
Hospital alemão tem área isolada para tratamento de doenças como ebola 13

Entenda: O ebola pode chegar ao Brasil? Médico tira dúvidas sobre doença

Leia também: Atendimento de suspeita de ebola em São Paulo foi feito no susto

O Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), na capital fluminense, que faz parte da Fiocruz e é responsável pelo treinamento, foi indicado como referência para receber casos suspeitos de infecção pelo vírus ebola. Duas salas do INI já estão prontas para isolamento de paciente com suspeita de contaminação.

Cenário de ficção científica: Veja como hospital na Alemanha se prepara para o ebola

A Fiocruz reiterou que nenhum caso foi identificado no país, mas o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, explicou nesta terça (19), na abertura do sétimo congresso da instituição, que a fundação quer ser referência para o acolhimento de pessoas com ebola e também para o diagnóstico da doença.

Leia mais:
Número de mortos do ebola subestima gravidade do surto, diz OMS
OMS monta grupo com companhias aéreas para monitorar ebola

“As possibilidades de termos casos de ebola no Brasil são muito remotas, mas virtualmente existem e o país não pode ficar despreparado”, comentou. “Na medida em que houver esse tipo de atenção, toda a unidade hospitalar precisa saber quais são as repercussões, os fluxos, rotina e prioridades. O mesmo ocorre na área laboratorial, para que os exames sejam realizados em ambiente de segurança”, contou.

Gadelha explicou que está sendo criada uma área de preparação para outras doenças emergentes globais. “O ebola traz um desafio e uma oportunidade para que evoluamos na capacitação que já temos. Então estamos fazendo o que já fazíamos, mas agora com intensidade, estrutura e abrangência muito mais robustas, que são necessárias para o país”, declarou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.