Tamanho do texto

Médico, Paulo Reis voltou há um mês de Serra Leoa, onde atuou no combate ao ebola, e já está de malas prontas para retornar ao foco da epidemia que já matou mais de 1300 pessoas

Paciente chega de maca a uma das unidades dos Médicos Sem Fronteiras em Serra Leoa
Sylvain Cherkaoui/Cosmos/MSF
Paciente chega de maca a uma das unidades dos Médicos Sem Fronteiras em Serra Leoa

O cenário é o mais hostil possível. O inimigo é invisível e as armas usadas para combate são pesadas. As informações se desencontram no meio da multidão, e muitos tapam os ouvidos, correm, fogem, agridem quem tenta reverter a situação. Mesmo assim, Paulo Reis, médico carioca de 42 anos, escolheu trilhar esse caminho desde 2005 vestindo a camisa dos Médicos Sem Fronteira, quando começou a atuar em zonas contaminadas por grande epidemias. Há um mês, ele retornou ao Rio de Janeiro com a mente tomada por imagens fortes de Serra Leoa, um dos focos atuais do vírus do ebola na África, e se prepara para retornar para lá em poucos dias.

'O que me faz voltar é saber que muitas pessoas conseguirão ter alta'
Nina Ramos/iG Rio
'O que me faz voltar é saber que muitas pessoas conseguirão ter alta'

Nesta quinta-feira (21), Paulo se encontrou com jornalistas para tentar contar um pouco da experiência na região da epidemia. “Medo, preocupação… Eu não sinto medo justamente pelas precauções que tomamos. Quando você tem conhecimento do problema e quando tem mecanismos para se proteger dele, ele não é mais arriscado, por exemplo, que o trânsito do Rio de Janeiro. Claro, desde que você siga o protocolo de segurança”, disse Paulo, com ar sereno. A decisão de se tornar um membro da organização aconteceu antes mesmo da faculdade de medicina, quando leu uma matéria sobre o grupo. De lá para cá, investiu no sonho e ganhou apoio da família.

“Eles brincam, dizem que sou maluco, mas meus estão pais acostumados, entendem o trabalho e a minha motivação. Você toma sua decisão antes e mantém. Não tem de ter receio. Uma vez que conhece a doença com a qual vai lidar, você a desmistifica."

Entenda: O que é o ebola e como a doença mortal se espalha

Em Serra Leoa, ele ficava com a equipe em uma espécie de hotel. De lá para o centro armado pelo MSF eram 20 minutos de estrada precária. “Chegando lá, realizamos uma divisão das tarefas. Se eu estivesse no time das amostras, me vestia, colhia todas as amostras (de sangue venoso) necessárias, e saia. Isso acontece no primeiro time do dia, porque mandamos o material o mais cedo possível para o laboratório para liberar ou não o paciente”, relatou. “A partir daí, começa a ronda médica. São dois ou três times por dia, e conseguimos atender cerca de 17, 18 pacientes, no máximo, por time.”

Veja vídeo que mostra trabalho dos Médicos sem Fronteira:

Em equipe, médicos e enfermeiros discutem caso a caso. Isso quando o telefone não toca avisando que uma ambulância com mais infectados está a caminho. Todos os procedimentos, tanto de recebimento do paciente, avaliação, tratamento e alta passam por muitas etapas. Quando uma pessoa tem o exame negativo para o vírus, por exemplo, e ganha liberação, tem de 30 a 40 minutos para se ver na rua livre e curada. “A pessoa vai primeiro para o chuveiro e ganha roupas totalmente novas. A antiga é queimada. É uma logística muito grande.”

Leia: Médico e missionária dos EUA tratados com droga experimental têm alta

A equipe médica também segue um protocolo de segurança detalhado. "Para entrar na área de isolamento, nós precisamo colocar uma roupa protetora e todos os elementos são colocados em sequência, para não deixar o corpo exposto. Na saída, a roupa, o capuz, os dois pares de luvas e a máscara são descartadas e incineradas. A bota de borracha, o avental e os óculos de segurança são banhados em cloro 0,5%”, detalhou. Este procedimento, segundo Paulo, é realizado de três a cinco vezes por dia, num período de 12h a 13h de trabalho diária.

Despreparo: Atendimento de suspeita de ebola em São Paulo foi feito no susto

A recompensa

Difícil manter a sanidade mental no meio de tanta tragédia. Quando está no Rio, Paulo se afasta de todo pensamento que o leve de volta à zona de epidemia. Assim que chegou, foi abraçar a família e tomar uma cerveja. E mesmo lá, quando sente que falha, pode pedir apoio psicológico. Sobre dinheiro no bolso, ele manda um freio se esse é o objetivo do camarada que pensa em integrar uma organização como MSF. “Se vai querer ficar rico, esquece. Eu trabalho pela recompensa que tenho quando vejo os pacientes ganhando alta”, avisou o médico, que não revelou seu salário, mas disse que varia entre 900 euros (cerca de R$ 2.700, inicial do MSF) e 2500 euros (cerca de R$ 7.500, salário do Chefe de Missão, o mais alto cargo).

Alarme: Número de mortos do ebola subestima gravidade do surto, diz OMS

“Quando um um paciente que passa muito dias conosco fica curado, é emocionante. Ele faz parte da minoria, porque a maioria vem a óbito. Daí, geralmente, sai todo mundo para rua, bate palma, toda equipe fica feliz... É uma sensação muito motivadora e uma das razões que me leva a retornar para lá é pensar nos pacientes que vão ter alta. 

Preconceito: Contra estigma, altas de ebola têm 'ritual do abraço'

No caminho contrário, Paulo relembrou o caso de óbito que mais o marcou. “Nós tivemos pelo menos 70 óbitos neste período. O mais impressionante para mim foi de um jovem de 12 anos. A família toda morreu e ele entrou em coma. Nós tentamos de tudo, até colocamos um tubo gástrico para ele se alimentar, porque não estava consciente. O mais frustrante foi que, quando ele morreu, ele estava sem o vírus, mas teve falência de órgãos. Ele se livrou do vírus e mesmo assim morreu."


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.