Tamanho do texto

Dez tratamentos experimentais – oito drogas e duas vacinas –mostraram potencial, mas continuam sob investigação

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu que as empresas farmacêuticas e as agências reguladoras trabalhem juntas para acelerar o desenvolvimento de drogas e vacinas seguras e eficazes contra o Ebola.

Dez tratamentos experimentais --oito drogas e “duas candidatas promissoras a vacinas"-- mostraram potencial contra o vírus, mas continuam sob investigação, informou a OMS em um documento divulgado no início de uma cúpula de dois dias em Genebra.

ONU: Controle do ebola custaria US$ 600 milhões

Entre eles está a droga anticorpos ZMapp, fabricada pela norte-americana Mapp Biopharmaceutical Inc., que foi ministrada a vários pacientes do Ebola por "razões humanitárias", mas cuja eficácia clínica “ainda é incerta”, disse a entidade.

“Os esforços para aumentar a produção (do ZMapp) podem gerar suprimentos potenciais de algumas poucas centenas de doses até o final de 2014”.

Cenário: ONU alerta para risco de ebola em países ainda não afetados

As provas da eficácia dos medicamentos e vacinas “são sugestivas, mas não se baseiam em dados científicos consistentes vindos de testes clínicos”, declarou a OMS. Os estoques atuais de todos os medicamentos experimentais são extremamente limitados ou já acabaram.

A doença virulenta, que já matou pelo menos 1.900 pessoas no oeste da África desde março, pode afetar 20 mil pessoas até ser contida, nos próximos seis a nove meses, segundo a OMS.

“Acelerar o desenvolvimento de terapias e vacinas experimentais ou não aprovadas contra a doença do vírus do Ebola exige um esforço conjunto dos desenvolvedores de produtos e das agências reguladoras, em cooperação com a OMS”, afirma o documento da entidade.

As decisões sobre que produtos devem ter seu desenvolvimento acelerado devem ser transparentes e envolver os países do oeste africano afetados pela epidemia, acrescentou a OMS.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.