Tamanho do texto

País ordenou que seus 6 milhões de cidadãos permanecessem em casa enquanto voluntários circulavam para educar a população assim como isolar a doença e remover os mortos

Um confinamento de três dias em Serra Leoa que pretende controlar a epidemia de ebola identificou dezenas de novas infecções, mas não atingiu todos os cidadãos do país e deverá ser estendido, disse uma autoridade do país neste domingo (21).

Em uma das estratégias mais extremas tomadas por um país desde que a epidemia teve início, Serra Leoa ordenou que seus 6 milhões de cidadãos permanecessem em casa enquanto voluntários circulavam para educar a população assim como isolar a doença e remover os mortos.

Leia mais:
Ebola: toque de recolher obrigatório em Serra Leoa entra no 2º dia sob críticas
Serra Leoa confina 6 milhões de pessoas em casa para conter ebola
Franceses testam antiviral japonês contra ebola

"Há uma grande possibilidade de que seja estendido", disse Stephen Gaojia, chefe do Centro de Operações de Emergência que lidera a resposta nacional ao ebola, depois de se encontrar com o presidente Ernest Bai Koroma.

"Mesmo que a operação tenha sido um sucesso até agora, não foi concluída em algumas cidades metropolitanas como Freetown e Kenema", disse.

Gaojia disse que 92 corpos foram recolhidos em todo o país até o fim do sábado, o segundo dia do confinamento.

Em torno de 120 pessoas entraram em contato com as autoridades durante a operação, acreditando que foram infectadas. Desse total, 56 deram positivo para a doença, 31 deram negativo e 36 ainda estavam aguardando resultados, disse.

Veja também:
O ebola pode chegar ao Brasil? Médico tira dúvidas sobre doença