Tamanho do texto

Traumas por vivência de agressões geram marcas no cérebro e aumentam a possibilidade de adulto desenvolver depressão

Criança e adolescentes que sofrem traumas físicos e emocionais correm mais risco de desenvolver quadros graves de depressão quando se tornam adultos. Foi o que constatou uma pesquisa realizada na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP). É o efeito do que os especialista chamam de estresse precoce, termo que engloba traumas de abusos físicos, sexuais e emocionais ou até mesmo negligência emocional durante a infância e a adolescência.

Leia também:  ' Ninguém leva minha depressão a sério'

Pessoas com predisposição à depressão podem ter  quadro agravado por estresse precoce
Thinkstock
Pessoas com predisposição à depressão podem ter quadro agravado por estresse precoce

O estudo, coordenado pelo psiquiatra e professor da faculdade Mario Juruena, identificou registros permanentes no cérebro dos indivíduos que passaram por estresse precoce, uma forma de identificar no cérebro a causa e efeito deste tipo de depressão.

Veja:
Índice de transtorno de ansiedade e depressão em SP é igual a de país em guerra
Depressão atinge 10% da população, mas saúde pública não consegue diagnosticar

De acordo com Juruena, de cada quatro adultos analisados com depressão, três apresentavam histórico de estresse precoce. "Isso é importante, pois a psiquiatria clínica não costuma analisar estes tipos de situações", explicou.

Juruena afirma que pessoas com predisposição genética ou biológica à depressão podem ter o quadro agravado por causa do estresse precoce. O resultado seria a combinação genética com as situações que o indivíduo viveu. Isso significa que se um indivíduo tem o gene da depressão e vive durante a infância em um ambiente pouco afetivo ou com vivência de traumas, o gene pode ser ativado e o indivíduo vir a desenvolver a depressão na vida adulta.

De uma maneira simplificada, a relação poderia ser explicada a partir de dois exemplo: se a vulnerabilidade biológica de uma pessoa é 10, mas a criança vive num ambiente bom e afetivo, ela terá predisposição de 10. Já se a vulnerabilidade biológica é 5, mas o estresse precoce também é 5, a predisposição chega a 25. Claro que o quadro não se reduz ou se explica simplesmente por uma conta de multiplicação, mas é um bom exemplo para mostrar como prognóstico pode ser agravado e a possibilidade de depressão aumentada.

Estresse precoce

O estresse precoce é ocasionado por situações de abuso sexual, agressão física e emocional, palavras ditas que ferem a autoestima das crianças. Além destes casos mais extremos há ainda o estresse precoce causado pela negligência emocional ou física, quando a criança não recebe atenção afetiva dos pais.

"Precisamos lembrar que o Brasil é um dos campeões mundiais em adolescentes que sofreram abuso sexual. As consequências deste problema são amplas e incluem um agravamento dos quadros de depressão na vida adulta. A depressão é a doença mais incapacitante, de acordo com a Organização Mundial de Saúde", afirma Juruema.

No estudo, os pesquisadores buscaram avaliar casos de depressão atípica ou melancólica em adultos com dificuldade de resposta ao tratamento. "No tratamento da depressão, só 50% dos casos se recuperam. É um índice muito baixo. Neste estudo, conseguimos mostrar que a depressão tem também uma raiz no histórico do desenvolvimento das crianças", concluiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.