Tamanho do texto

Cerca de 400 crianças são diagnosticadas anualmente com retinoblastoma no Brasil, câncer na retina que pode cegar

O retinoblastoma, câncer na retina, é mais comum do nascimento até os cinco anos de idade. Diagnóstico precoce é fundamental para a cura
Thinkstock/Getty Images
O retinoblastoma, câncer na retina, é mais comum do nascimento até os cinco anos de idade. Diagnóstico precoce é fundamental para a cura

Normalmente é o médico quem descobre se algo está errado no corpo de alguém. No caso de Nilda Alves de Oliveira, mãe de Luan Alves de Oliveira, hoje com sete anos, foi a fotógrafa quem sinalizou que algo não andava bem na saúde do pequeno. Quando levado ao médico, foi diagnosticado com câncer nos olhos. O retinoblastoma, tumor na retina, afeta cerca de 400 crianças por ano no Brasil, de recém-nascidos a cinco anos de idade.

 O câncer, se diagnosticado precocemente, tem índice de cura de 90%.

Quando Luan tinha apenas cinco meses, a mãe resolveu contratar um pacote de fotos em um estúdio. Levou o bebê para ser fotografado e, quando voltou para pegar as fotos já impressas, a fotógrafa fez o alerta: Luan deveria ser levado ao pediatra com urgência, pois o fundo do olho do bebê estava branco, em vez da cor natural, que seria o vermelho-sangue.

"Eu comentei que achava que era porque ele tinha chorado, estava com sono. A fotógrafa disse: 'Não, normalmente essa mancha é um problema'", conta Nilda.

Fotografia: uma das formas de diagnosticar a doença

De fato, uma foto pode dizer muito sobre a saúde dos olhos de uma criança. O oncologista Sidnei Epelman, presidente da Tucca (associação para crianças e adolescentes com câncer), explica que essa é uma das formas que se diagnostica em casa que há um tumor.

No entanto, é preciso diagnosticar um câncer antes mesmo de ele ser vísivel assim. No caso de Luan, o câncer não estava no estágio avançado, mas também não estava na sua etapa inicial.

Nilda conta que, depois do alerta da fotógrafa, levou o filho ao pediatra da própria cidade, Nova Serrana (MG), que já indicou imediatamente que ela encaminhasse Luan a um especialista de oncologia, já que o caso era grave.

Na Santa Casa de Belo Horizonte, Luan começou a ser tratado. "O médico disse: mãezinha, não se assuste, descobrimos o câncer cedo. Se fosse mais tarde, talvez não tivesse mais jeito'. Então eu entreguei para Deus", conta Nilda.

A mãe de Luan conta que o médico alertou sobre a possibilidade de retirar o olho do garoto, para impedir a progressão do câncer. No começo do tratamento, no entanto, optaram por fazer quimioterapia. O problema não foi resolvido e Luan, na época então com um ano e dez meses, foi submetido à cirurgia de extração do olho afetado.

A mãe ficou apreensiva sobre a possibilidade do câncer ter atingido o outro olho. Epelman explica que normalmente a doença se desenvolve em um olho só. Em casos de problemas hereditários, pode atingir os dois também.

O caso de Luan, embora Nilda comente que não havia pessoas na família que tivessem tido esse tipo de câncer, aconteceu nos dois olhos. Os médicos descobriram um início do câncer no outro olho, que anteriormente não estava afetado. Luan começou um tratamento a cada três semanas, e, na luta contra a lesão, foi encaminhado para São Paulo. 

Com apoio da Tucca, o garoto, com cinco anos na época, ia esporadicamente para São Paulo, para um tratamento mais agressivo. E o tumor desapareceu.

Por precaução, Luan faz acompanhamento trimestral em São Paulo e Belo Horizonte. Hoje com sete anos, a mãe comenta que ele nunca reclamou da doença que teve. 

De fato, o oncologista explica que o retinoblastoma não provoca dor, mesmo durante o tratamento. O câncer, se não tratado, pode evoluir, sair do olho e causar problemas mais sérios ainda do que a perda de visão.

Leia tambémEstresse na infância pode agravar depressão na vida adulta

O diagnóstico precoce é a solução para o sucesso do tratamento da maioria dos tipos de câncer. No caso do câncer da retina, não é diferente. Epelman explica que, ainda no nascimento, é preciso fazer o exame de fundo de olho, para ver se a criança não nasceu com câncer. Depois disso, nas visitas regulares com o pediatra, é imprescindível que ele avalie o fundo de olho, um exame que pode ser feito com um oftalmoscópio, aparelho simples que identifica se há algum problema.

O presidente da Tucca explica que o olho é uma espécie de "santuário", assim como o cérebro. Por causa disso, os medicamentos comuns têm dificuldade de atingir essa região, mas ele comenta que, no caso da quimioterapia, o mecanismo é diferente e a ação local felizmente traz bons resultados.

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.