Tamanho do texto

Cólica menstrual é o principal problema que atinge as mulheres. Dores de cabeça acompanham o ciclo em 59% delas

Médico ginecologista pode ajudar a encontrar estratégias para controlar a dor
Thinkstock/Getty Images
Médico ginecologista pode ajudar a encontrar estratégias para controlar a dor

Todo mês, 76% das mulheres brasileiras sofrem de cólica menstrual. Se elas forem mais jovens, de 16 a 24 anos, 84% delas se queixam dessas dores. Além disso, na pesquisa feita em todas as regiões brasileiras pela Conectaí, do Ibope Inteligência, verificou-se que 75% das mulheres reclamam das dores de cabeça. Se for jovem, o número de queixas aumenta para 78%.

As dores femininas são um tema antigo. Segundo a ginecologista Maria Celeste Wender, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e presidente da Sociedade Brasileira de Climatério (SOBRAC), as mudanças hormonais, decorrentes do ciclo menstrual, interferem e muito nessas dores da população feminina.

Atenção: Aumento progressivo da cólica menstrual pode ser sinal de endometriose

Segundo ela, muitas vezes, podem acontecer várias dores ao mesmo tempo, como cólica menstrual, dor de cabeça, enxaqueca e até mesmo dores nas costas. Ela atribui a intensificação dos sintomas ao estilo de vida desregrado do mundo atual. Uma má alimentação, sedentarismo, estresse e ritmo de vida agitado só faz com que as queixas aumentem.

Os números não negam: em 59% das mulheres, a cólica menstrual vem acompanhada de dores de cabeça e, em 46% delas, há dores nas costas.

Cuidado: Sete dores que você não deve ignorar

Mas há pessoas que se acostumam a sofrer e não procuram um médico que possa ensinar como aliviar todo esse desconforto. Para 16% das mulheres, essas dores são naturais e devem ser encaradas com normalidade. Em 75% das mulheres entrevistadas, no entanto, a cólica atrapalha as atividades diárias, levando-as a deixarem de fazer algo que precisavam por conta da dor.

E, naturalmente, uma dor afeta o humor. Mais de 80% das mulheres relatam terem sua qualidade de vida tolhida na época da menstruação. Para 42% delas, o humor fica em péssimo estado. Somente 18% consegue sobreviver ao período menstrual sem alterações notáveis no humor.

Mas as dores não param por aí: embora em menor quantidade, algumas entrevistadas também informaram que há mal-estar no estômago, na mama, costas e tensão nas articulações, pernas e extremidades, além da intensificação das dores depois de uma atividade física e, por fim, enxaqueca.

A ginecologista recomenda que qualquer mulher que sofra no período menstrual procure um médico para auxiliá-la. O tratamento médico é imprescindível para melhorar a qualidade de vida.