Tamanho do texto

Especialistas afirmam que Teresa Romero está entrando em um momento decisivo, se ela conseguir sobreviver a esse período, será um passo importante para combater o vírus no organismo

O estado de saúde da auxiliar de enfermagem espanhola infectada com o vírus ebola agravou-se depois de ter passado uma noite “mais complicada”, disseram fontes do hospital onde ela está internada. Acrescentaram que o vírus tem comportamento muito irregular no corpo humano, podendo levar a um agravamento do estado de saúde “muito rapidamente”.

Veja:  Número de mortos por Ebola sobe para 4.033, diz OMS

Especialistas lembram que Teresa Romero Ramos está entrando hoje nas 48 horas decisivas, quando se completam 14 dias desde que surgiram os primeiros sintomas. Se ela conseguir sobreviver a esse período, será um passo importante para combater o vírus.

Médico, vestindo roupas de proteção,  cuida de paciente isolado no hospital Carlos III de Madrid
AP Photo/Daniel Ochoa de Olza
Médico, vestindo roupas de proteção, cuida de paciente isolado no hospital Carlos III de Madrid

Nesse domingo (12), o Ministério da Saúde espanhol informou que Teresa Romero estava em situação grave, embora com indícios que podiam justificar “alguma esperança”.

Em entrevista convocada com urgência, o diretor do Centro de Alertas e Emergências do Ministério da Saúde, Fernando Simón, informou sobre a evolução do caso.

Leia mais: 
Greve de médicos na Libéria pode prejudicar luta contra o ebola
Teste de funcionário de hospital dos EUA tem resultado positivo para ebola
Clínica próxima a Boston entra em quarentena por nova suspeita de ebola

“Parece que a carga viral está controlada e caindo”, explicou Simón, alertando, no entanto, que “é preciso ser prudente com uma pessoa com ebola, que está sempre em situação crítica, já que outros órgãos podem ser afetados”.

Nos últimos dias, Teresa Romero vem registrando a progressão normal de um doente com ebola, com o vírus afetando os principais órgãos, especialmente os rins, o fígado e os pulmões, o maior problema no caso da paciente.

Além de Teresa Romero, de 44 anos, estão hospitalizadas mais 15 pessoas no mesmo hospital de Madri, incluindo o marido da auxiliar de enfermagem, por terem mantido contato direto com ela quando já podia transmitir o ebola. As pessoas em observação não registram sintomas da febre hemorrágica.

A situação de Teresa Romero e da crise do ebola na Espanha vai ser analisada em reunião hoje do Comitê de Crise, criado pelo governo para acompanhar a situação do ebola.

O número de mortos em consequência da epidemia, surgida na África Ocidental no fim do ano passado, ultrapassou 4 mil, segundo o mais recente balanço da Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com relatório da OMS, de sexta-feira passada, estão confirmados 8.399 casos de contágio pelo ebola em sete países (Guiné-Conacri, Libéria, Serra Leoa, Nigéria, Senegal, Espanha e Estados Unidos), com 4.033 mortes.

Os sete países afetados foram divididos em dois grupos pela OMS, sendo o primeiro constituído pela Guiné-Conacri, a Libéria e Serra Leoa – os três mais atingidos – e o segundo pela Nigéria, o Senegal, a Espanha e os Estados Unidos.

No primeiro grupo, a Libéria, o país mais afetado pela epidemia, registrou 4.076 casos, com 2.316 mortes.

Os profissionais de saúde continuam a ser o grupo populacional mais afetado pela doença, sobretudo nos países mais atingidos, com 416 casos, de que resultaram 233 mortes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.