Tamanho do texto

Estudo em Nova York mostrou que risco aumenta em cinco vezes; São Paulo tem o triplo do poluente encontrado em NY

A exposição à poluição do ar traz consequências para a saúde antes mesmo de a criança nascer e que vão muito além de doenças cardiorrespiratórias. Pesquisa realizada na cidade de Nova York relaciona um componente da poluição do ar ao aumento das chances de a criança desenvolver transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, ou TDAH.

Veja:  Poluição atmosférica deprime e reduz capacidade de aprender

Grávidas expostas à poluição tiveram cinco vezes maior risco de que filhos desenvolvessem TDAH
Getty Images
Grávidas expostas à poluição tiveram cinco vezes maior risco de que filhos desenvolvessem TDAH

Leia também:  Poluição mata mais que falta de saneamento

O estudo realizado pela renomada Universidade de Columbia monitorou 233 grávidas de Nova York, desde a gravidez até quando as crianças completaram nove anos de idade. Os resultados mostram que gestantes expostas a altos níveis de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, um componente da poluição do ar, tiveram cinco vezes mais chance de que os filhos tivessem TDAH mais grave – e do tipo desatento -, em comparação às mães que não sofreram exposição.

"De acordo com os resultados, vemos que a exposição à poluição encontrada em Nova York pode ter um papel importante na ocorrência de TDHA," diz a autora do estudo Frederica Perera, do Centro de Saúde Ambiental para Crianças da Faculdade de Saúde Pública de Columbia.

Veja:  Pesquisa liga autismo à poluição atmosférica

O TDAH é um conjunto de sintomas marcado pela dificuldade em manter a concentração. A causa ainda não é claro, mas geralmente está ligada apenas à genética. Imagens mostram que há menor ativação das áreas frontais em portadores de TDAH.

Frederica afirma que os mecanismos pelos quais a exposição à poluição pode afetar o cérebro dos fetos em desenvolvimento não são totalmente compreendidos. “Temos algumas suposições, que incluem a interrupção de vias hormonais, efeitos sobre a placenta, resultando em diminuição da troca de oxigênio e nutrientes, danos diretos do DNA, estresse oxidativo e alterações epigenéticas. O período pré-natal é crítico por causa de uma série de mudanças estruturais e de nível celular que ocorrem nos estágios do desenvolvimento.”, afirma.

No estudo, o nível de exposição ao poluente das grávidas – todas não fumantes – foi medido por exame de sangue e o das crianças foi obtido a partir da análise de amostras de urina. Os problemas de TDAH foram avaliados utilizando a escala de classificação.

Vários problemas

O estudo é o primeiro a explorar a relação entre pré-natal, este tipo de componente e TDAH em crianças em idade escolar ao longo do tempo. Porém, estudos anteriores já haviam relacionado à exposição á poluição do ar com maior ansiedade, depressão e atrasos no desenvolvimento e o risco de bebês nascerem abaixo do peso .

“É um problema muito sério e atinge, principalmente aqui no Brasil, os mais pobres, que passam mais tempo nos corredores de ônibus, local com o ar mais poluído”, afirma Paulo Saldiva, professor da USP e especialista em poluição atmosférica. Saldiva não participou do estudo realizado nos Estados Unidos.

Saldiva explica que os poluentes atuam nos neurônios e o estudo provou que isto também no momento em que o cérebro está se desenvolvendo. “Eles atravessam a placenta e interfere no sistema nervoso do bebê”, afirma.

China: 
Pequim multa 652 empresas em quatro meses por poluição
Poluição está mudando infância de crianças chinesas

De acordo com Saldiva, os hidrocarbonetos aromáticos policíclicos presentes no ar impedem que neurônios migrem e estabeleçam circuitos (sinapse), além de inibir que conexões pouco utilizadas sejam eliminadas para que a capacidade cerebral fique disponível para conexões mais frequentes.

“O estudo realizado em Nova York reforça a teoria de que os poluentes atuam em dois fatores: o impedimento da migração neuronal e inibidor de poda neuronal“, disse.

É pior ainda aqui
Se os resultados do estudo já são preocupantes para nova iorquinos, se torna ainda mais para paulistanos e cariocas. Os níveis de poluição nas duas cidades brasileiras são maiores que na cidade americana.

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, a concentração de material particulado no ar do Rio de Janeiro é 67μm/m3; em São Paulo, 35 μm/m3 e em Nova York, 23 μm/m3. O limite estabelecido pela OMS é de 20 μm/m3.

Os hidrocarbonetos aromáticos policíclicos são compostos encontrados tanto na forma de material particulado quanto gasosa. Eles são derivados principalmente de processos de combustão incompleta em indústrias, incineração, e também em emissões de veículos automotivos.

“A única solução é reduzir a poluição, não tem como escapar disso. Os carros com menos emissão de poluentes fizeram o seu papel, mas não adianta ter uma frota de carros que só cresce e fica parada nas vias. É preciso valorizar o transporte público”, diz.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.