Tamanho do texto

Menos grave porém mais dolorido do que a dengue, o vírus já fez mais de 800 brasileiros se contorcerem de dores articulares

Os mosquitos aedes aegypti e aedes albopictus, ambos transmissores da dengue podem carregar o chikungunya, vírus antes restrito à África oriental e sudeste asiático, mas que chegou ao Caribe e desceu ao Brasil e já infectou 828 brasileiros
Thinkstock/Getty Images
Os mosquitos aedes aegypti e aedes albopictus, ambos transmissores da dengue podem carregar o chikungunya, vírus antes restrito à África oriental e sudeste asiático, mas que chegou ao Caribe e desceu ao Brasil e já infectou 828 brasileiros

Os mosquitos aedes aegypti e aedes albopictus têm muito mais em comum do que as listras brancas nas patas. Além de transmitir o vírus da dengue, eles são responsáveis por ter acamado, até 25 de outubro, 828 brasileiros por causa do vírus chikungunya, que, em uma das línguas oficiais da Tanzânia, significa "contorcer-se de dor".

E é fato. A dor articular é intensa. Embora bem menos grave do que a dengue, quem é picado por um desses mosquitos que estão contaminados pelo vírus sofre de dores articulares que as impede até de andar. Há dificuldade para se mexer, pegar objetos. Em até 10 dias, esses sintomas costumam passar. O problema é que, para uma parcela dos pacientes, as dores articulares se mantêm por meses.

Além da dor articular, os outros sintomas são iguais aos da dengue: febre, dor de cabeça, mal estar, dor no corpo. "Não tem tratamento específico. Assim como a dengue, só se trata os sintomas", explica o infectologista Luiggi Miguez, do Hospital Balbino, no Rio de Janeiro. 

E as viagens de navio e avião não são só para quem pode pagar. Os mosquitos também entram clandestinamente onde não são chamados e se tornam viajantes. Eles, que depois da África oriental haviam estabelecido residência no sudeste asiático, migraram para o Caribe e, de lá para o Brasil é um pulo. 

Leia também:  Dengue: 533 municípios estão em situação de alerta e 117 têm risco de epidemia

E eles chegaram aqui e estão aterrorizando vários estados Brasileiros. A Bahia, por exemplo, registrou 458 casos até 25 de outubro. O Amapá, 330.

788 picadas pelo aedes aegypti ou aedes albopictus somente nesses estados. Nada melhor para provar que eles estão voando livremente e, desses estados para outros no Brasil, o caminho também é curto.

E só há uma forma de prevenção: exterminar o mosquito. "A principal medida que um cidadão comum pode fazer para o chikungunya e a dengue é não se expor a esses agentes, e isso só é possível eliminando criadouros de mosquitos, vasilhames que acumulam água, matos que podem acumular água, ou seja, prevenir a proliferação dos mosquitos", explica o infectologista Carlos Brites, da Sociedade Brasileira de Infectologia.

A partir do momento em que a pessoa foi picada pelo mosquito que continha o vírus, os sintomas começam entre três e cinco dias. E vem a febre, dor de cabeça, dor no corpo e intensa dor articular. Só por meio da dor articular que os médicos conseguem identificar que é chikungunya, não dengue.

Leia:  SP detecta 6 casos de Chikungunya, mais forte que a dengue e sem tratamento

"As dores nas juntas acontecem nos punhos, tornozelo, joelho. Depois que a fase aguda melhora, o indivíduo pode ficar com dores nas juntas por dois meses ou mais", alerta o infectologista do Hospital 9 de Julho, Antônio Pignatari. Ele recomenda que, se as dores persistirem, procurar um médico para fazer o tratamento, que pode ser com antiinflamatórios (só se receitados por um médico), fisioterapia e analgésicos.

Brites explica que, na maioria dos casos, os sintomas vão embora dentro de 10 dias. O vírus só é identificado depois de cerca de sete dias, por meio dos anticorpos no teste sorológico. "Há disponibilidade limitada da identificação desse vírus por meio de exames, porque é um agente novo aqui. Caso os sintomas persistam, os testes em laboratórios centrais devem ser feitos para identificação", explica o infectologista. 

O infectologista da Sociedade Brasileira de Infectogia espera que uma vacina seja desenvolvida. "Como a estratégia de desenvolvimento da vacina do chikungunya é parecida com a da dengue, por serem vírus parecidos, pode ser que seja do interesse dos desenvolvedores tentarem produzir uma para o novo vírus", diz o Brites.

Leia mais:  Mosquito mutante é testado no Rio de Janeiro para combater a dengue

O fato é que até 25 de outubro, 828 pessoas se tornaram imunes ao vírus, já que, uma vez picado, o organismo fabrica antígenos para se defender de uma próxima vez. E o chikungunya não incomoda mais. No entanto, quem teve chikungunya ainda está suscetível a ter dengue (se não foi infectado antes), já que a dengue são quatro tipos diferentes de vírus.

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.