Tamanho do texto

Do total, 98,6% foram dos casos notificados no primeiro semestre. Desde o início do ano, houve registro de 12 óbitos

O município de São Paulo registrou em 2014, até o dia 1º de novembro, 27.721 casos autóctones (contraídos na mesma localidade) de dengue. Do total, 98,6% foram notificados no primeiro semestre. Desde o início do ano, houve registro de 12 óbitos. Aumentou 1.062% em relação ao número de casos, em todo o ano de 2013, e 600% quanto aos óbitos.

A taxa de incidência é considerada média pelo Ministério da Saúde: 246,3 casos para cada 100 mil habitantes. A zona oeste e parte da zona norte da capital paulista - que fazem divisa com os municípios de Osasco, Mairiporã e Guarulhos - foram as áreas que registraram mais casos.

Cidade de SP tem quase 600 novos casos de dengue em apenas uma semana

Em 2014, casos de dengue na capital paulista mais que triplicaram em relação ao registrado no mesmo período do ano passado
Agência Brasil
Em 2014, casos de dengue na capital paulista mais que triplicaram em relação ao registrado no mesmo período do ano passado

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, apesar da quantidade de registros da doença, o município está em fase de baixa transmissão desde julho. No entanto, no ano todo de 2013, foram notificados 2.609 casos de dengue autóctone no município, coeficiente de incidência de 23,2 casos para cada 100 mil habitantes e foram registrados dois óbitos apenas.

Em nota, a secretaria informou que a falta de chuvas não é garantia de menor transmissão da doença. A dengue está mais associada ao calor e à água limpa do que simplesmente à chuva, porque qualquer pequena porção de água, desde uma tampinha de garrafa a um vaso de planta com água parada pode ser um criadouro, acrescenta. Esses fatores, de acordo com a secretaria, ajudam a explicar o crescimento de casos neste ano, pois houve forte e intenso calor, que perdurou até meados de abril.

Para combater a disseminação da doença, a secretaria adotou novas estratégias em 2014. Agora, os serviços públicos e privados de saúde devem realizar, em até 24 horas, a notificação compulsória dos casos suspeitos. A secretaria ainda publicará, na próxima semana, uma portaria que cria comitês locais de prevenção em cada uma das subprefeituras, para fortalecer o contato com a comunidade e o trabalho integrado nas ações de campo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.