Tamanho do texto

Metade da população africana em risco teve acesso a mosquiteiros em 2013, contra apenas 3% em 2004

OMS comemora queda nos casos de malária, especialmente na África, mas teme que enfrentamento do surto de ebola prejudique as ações públicas de controle do paludismo
Ahmed Jallanzo/EPA/Agência Lusa/ Direitos Reservados
OMS comemora queda nos casos de malária, especialmente na África, mas teme que enfrentamento do surto de ebola prejudique as ações públicas de controle do paludismo

O número de pessoas mortas pela malária (paludismo) caiu quase metade entre 2000 e 2013, informou, hoje (9), a Organização Mundial da Saúde (OMS), no momento em que se enfrenta o maior surto do vírus ebola na África Ocidental.

Entre 2000 e 2013, a taxa de mortalidade relacionada como o paludismo diminuiu 47% em todo o mundo e 54% na África, segundo o relatório anual da OMS, o que permitiu salvar o equivalente a 4,3 milhões de vidas.

“Esses são os melhores resultados que já tivemos e é uma notícia maravilhosa em termos de saúde pública”, disse, em Genebra, o diretor do programa mundial da OMS contra a malária.

Veja também:  Conheça os 10 vírus mais perigosos do mundo

Globalmente, ocorreram 198 milhões de casos de malária e 584 mil mortes no ano passado - respetivamente 4,3% e 6,9% menos que em 2012 -, com 90% das mortes na África. As crianças com menos de cinco anos constituem 78% dessas vítimas.

Esse declínio dos casos, na África, explica-se nomeadamente pelas medidas de prevenção mais bem aplicadas, sendo que cerca da metade da população em risco, em 2013, teve acesso a mosquiteiros impregnados de inseticida. Em 2004, somente 3% desta população tinha acesso a essa medida de prevenção.

O aumento dos testes de diagnóstico permitiu a identificação de 62% dos pacientes suspeitos de terem paludismo, com 128 milhões de testes distribuídos na África, em 2013, pela OMS.
A organização conseguiu US$ 2,7 bilhões por meio de financiamentos nacionais e internacionais, pouco mais de metade do que necessitava para as metas fixadas. Muitas pessoas ainda não se beneficiaram da assistência da OMS.

Leia mais:  Adesivos podem substituir agulhas em vacina do futuro, dizem cientistas

“Estimamos que 278 milhões de pessoas na África, vivem em casas com mosquiteiros impregnados com o inseticida e quase 15 milhões de grávidas não têm acesso ao tratamento preventivo”, disse Margaret Chang, diretora-geral da OMS.

No relatório, a OMS informa que a pobreza e o baixo nível de educação são fatores determinantes para que falte o acesso aos serviços básicos.

A entidade está preocupada, igualmente, com a propagação do vírus ebola, um forte desestabilizador dos sistemas de saúde, sobretudo na Guiné-Conacri, em Serra Leoa e na Libéria, que ficam privados de certos tratamentos, como a malária, por estarem sobrecarregados devido ao ebola. A malária mata 100 vezes mais que o ebola, que já provocou a morte de 6.331 pessoas, segundo o último balanço da OMS, em 6 de dezembro.

Entenda o que é o ebola e como a doença mortal se espalha

Para a diretora-geral da OMS, “reforçar os sistemas de saúde destabilizados beneficiará a saúde pública mundial, devendo-se concentrar os esforços no controle e na eliminação do paludismo”.
O relatório de 2014 sobre a malária no mundo resume as informações de 97 países onde a doença ainda prevalece.

Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.