Tamanho do texto

Entre eles estão remédios para tratar alzheimer, artrite e produtos para problemas no coração, olhos e ouvido

Ministro Arthur Chioro anuncia lista de produtos estratégicos para o SUS, durante a 7ª reunião Ordinária do Grupo Executivo do Complexo Industrial da Saúde
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Ministro Arthur Chioro anuncia lista de produtos estratégicos para o SUS, durante a 7ª reunião Ordinária do Grupo Executivo do Complexo Industrial da Saúde

O Ministério da Saúde divulgou hoje (17) uma lista com 11 medicamentos e dez equipamentos considerados prioritários para o Sistema Único de Saúde. A divulgação desses 21 produtos, todos importados, tem por objetivo transferir para a indústria nacional a tecnologia de produção desses itens. Estão incluídos medicamentos para o tratamento de alzheimer e artrite e produtos para deficiências cardiológicas, oftalmológicas e auditivas.

Os laboratórios nacionais, públicos e privados, têm de 1º de janeiro a 30 de abril de 2015 para apresentar propostas para produzir esses itens em regime de Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP). De acordo com o Ministério da Saúde, os 21 produtos movimentam R$ 1,3 bilhão por ano.

Leia também:  Entidades questionam eficácia de insulina distribuída pelo SUS e cobram mudança

Para o ministro da Saúde, Arthur Chioro, a possibilidade de transferência de tecnologia para laboratórios brasileiros será sentida pela população, com mais oferta desses produtos. “Produzir essa tecnologia no Brasil, mas a custo mais barato, significa mais acesso, mais oferta de serviços à população”, salientou.

Chioro explicou, ainda, que cada medicamento tem prazo para que a tecnologia seja transferida, algo que pode levar uma década. Ele salientou, no entanto, que os prazos serão levados em consideração para consolidação de parceria.

Leia:  Manifestantes pedem liberação de novos remédios contra hepatite C

“Cada produto requer um tempo de desenvolvimento. Pode chegar até dez anos e alguns a dois ou três anos. Cabe a cada parceria entre laboratório público e privado apresentar o projeto mais adequado. Claro que o tempo de desenvolvimento, custo e a qualidade da tecnologia são fatores a serem avaliados”. Além do Ministério da Saúde, a comissão de avaliação terá participação dos ministérios de Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Leia mais:  Novo medicamento curou 95% dos pacientes com hepatite C

Já foram firmadas 104 PDP's no país. Atualmente, 98 estão em curso, para produção de 91 itens, sendo 61 medicamentos, 19 produtos de saúde, cinco equipamentos e seis vacinas. Segundo Chioro, essas parcerias gerarão R$ 3 bilhões de economia para o Brasil. Uma PDP já concluída é a que produzirá a vacina de Influenza. De acordo com o ministério, o desenvolvimento da vacina está em fase final.

O ministro Arthur Chioro anunciou a lista de produtos estratégicos em Brasília, da 7ª Reunião Ordinária do Grupo Executivo do Complexo Industrial de Saúde.

Leia mais notícias de saúde