Tamanho do texto

Pesquisadores brasileiros buscam novas terapias para a doença de Chagas; remédios usados atualmente controlar os sintomas, mas não impedem o avanço das lesões causadas pela infecção

Ao menos três novos estudos brasileiros mostram avanços consideráveis no tratamento da doença de Chagas. A doença atinge atualmente cerca de 4 milhões de pessoas no Brasil. 

Doença de Chagas atinge cerca de 4 milhões de pessoas
Thinkstock
Doença de Chagas atinge cerca de 4 milhões de pessoas


O mais recente deles mostra que é possível recuperar lesões cardíacas de pacientes com a doença. Atualmente, o tratamento de pacientes na fase crônica, quando a infecção já se aloja nos músculos do coração e do aparelho digestivo, é feito em cima dos sintomas e não na causa da infecção.  Porém, testes feitos em camundongos  por uma equipe da Fiocruz, liderada pela pesquisadora Joseli Lannes Vieira, bloquearam a toxina que desencadeia os problemas cardíacos.

“Provamos que nossa hipótese estava correta, que existe relação direta entre a inflamação e a cardiopatia. O bloqueio da citocina com o uso de uma droga levou a uma melhora do quadro. Agora precisamos fazer novos testes usando outras formas de terapias que também reduzam o TNF [uma substância inflamatória] e não tenham tantos efeitos colaterais. Uma possibilidade é o omega 3, que é mais barato”, diz.

Doença negligenciada: Um bilhão de pessoas sofrem de doenças tropicais esquecidas

A equipe tinha observado que pacientes com cardiopatia por doenças de Chagas grave, além do aumento do tamanho do coração, apresentavam altos níveis de TNF solúvel no sangue. O coração aumenta de tamanho e tem batimento irregular, entre outros problemas.

Agora é preciso que se façam mais testes com outras terapias que reduzam do TNF no sangue e também fazer testes em humanos. “É um processo e demos o primeiro passo. Durante cem anos não se teve uma proposta terapêutica para a doença de Chagas. Mitigam-se os sintomas nos pacientes, a doença evolui de uma forma mais lenta, mas o paciente continua apresentando os mesmos problemas”, afirma.  

Joseli explica que a maioria dos pacientes com doença de Chagas no Brasil já está na fase crônica da doença, quando a infecção já se aloja nos músculos do coração e do aparelho digestivo. Na fase crônica, não há ainda comprovação da eficácia dos medicamentos disponíveis. Os remédios usados atualmente podem apenas controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes, mas não impedem o avanço das lesões causadas pela infecção.

Depressão de Chagas
Outra descoberta importante, realizada em 2012, foi a comprovação de que a depressão faz parte da doença. “Conseguimos mostrar em modelo animal que a depressão faz parte da doença. Provamos que camundongos com doença de Chagas apresentavam sintomas da depressão”, diz.

Depressão atinge 10% da população, mas saúde pública não consegue diagnosticar

Para Joseli, o importante dessa descoberta também está no fato de comprovar que pacientes com Chagas devem sem tratados também por psicólogos e psiquiatras.

“Acreditava-se que o paciente ficava deprimido por causa do estigma da doença, mas sabemos que o camundongo não vai ficar deprimido por conta disso. Logo, provamos que é algo biológico. Existe uma relação entre a infecção e a depressão”, afirma a pesquisadora que também participou deste estudo. 

Metas
Os estudos fazem parte de um esforço para desenvolver droga e novas propostas terapêuticas contra a doença de chagas.  A meta é que até 2019 – ano que a descoberta da doença faz 110 anos –, os pacientes tenham a cura.

Joseli afirma que há muito o que comemorar e também muito a ser descoberto, inclusive está em estudo a criação de uma vacina contra a doença. “Essa é uma doença negligenciada, uma doença da pobreza. Até 2005, o que se dizia é que se tratava de uma doença sem cura. Inicialmente, o que se fazia era combater o vetor, o barbeiro, mas pouco ainda havia sido estudado sobre como a doença age na pessoa infectada”, disse.

A doença de Chagas é causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi e transmitida ao homem pela picada de um inseto conhecido como “barbeiro”, “potó”, “procotó” ou “chupão”. Após sugar o sangue da pessoa, o inseto libera fezes infectadas com o parasita. Pelo contato das mãos com as fezes do barbeiro ao coçar o local da picada ou levar a mão à boca ou aos olhos, o parasita penetra na corrente sanguínea. Há ainda outras formas de transmissão: da mãe infectada para o bebê ainda na barriga, por transfusão de sangue e contaminação por alimentos que contenham fezes do inseto.

No prazo do relógio
Em 2006, o Brasil recebeu um certificado da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Panamericana de Saúde (Opas) por ter conseguido interromper a transmissão da doença de Chagas pela espécie de barbeiro mais frequente no país: o Triatoma infestans .

No entanto, segundo o Ministério da Saúde, nos últimos anos, estão surgindo novos casos da infecção devido a uma forma alternativa de transmissão ligada à contaminação de alimentos. Principalmente na região amazônica, surtos de casos agudos vêm sendo registrados entre pessoas que consumiram suco de açaí e caldo de cana. As bebidas são contaminadas pelo T. cruzi quando barbeiros infectados são moídos acidentalmente junto com os alimentos.

Faltam ainda pouco mais de quatro anos para que os pesquisadores atinjam a meta de encontrar uma cura para a doença. “Ainda existe muita gente com a doença e muita gente em cidades grandes como o Rio e São Paulo, por exemplo. Na América Latina, nem se fala. Em Cochabamba, na Bolívia, 70% da população tem a doença. Por isso, pesquisar a doença de Chagas cabe a nós mesmos. Acredito que teremos muita coisa boa descoberta nos próximos anos”, afirma.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.