Tamanho do texto

De acordo com os últimos dados da Organização Mundial de Saúde, foram registrados mais de 20.200 casos confirmados

O novo chefe da Missão das Nações Unidas de Resposta à Emergência do Ebola, Ismail Ould Cheikh Ahmed, disse hoje (4) que acabar com a mais mortífera epidemia da doença é difícil, mas possível, alertando que o mundo não tem outra escolha além de derrotar o ebola. "Esta é uma crise global. Temos tempos difíceis pela frente, mas podemos conseguir", declarou Ahmed ao chegar a Gana para assumir oficialmente o cargo, substituindo o norte-americano Anthony Banbury.

Entenda o que é o ebola e como a doença mortal se espalha

Enfermeira britânica contaminada por ebola está em estado crítico

Ao falar sobre o combate à epidemia, Ahmed realçou que não há um plano B. “O trabalho à frente continua a ser muito difícil, mas nós realmente não temos outra escolha”, acrescentou, em um comunicado. De acordo com os últimos dados da Organização Mundial de Saúde,  foram registrados mais de 20.200 casos confirmados, prováveis ou suspeitos de ebola, além de pouco mais de 7.900 mortes relatadas. Os países mais afetados são a Serra Leoa, Libéria e Guiné.

Ahmed deve visitar esta semana as três localidades na tentativa de reforçar as prioridades estratégicas da ONU e ver em primeira mão como anda a resposta ao ebola. O chege de missão será acompanhado pelo enviado especial das Nações Unidas sobre Ebola, David Nabarro. Antes de sua nova nomeação, Ahmed foi Representante Especial Adjunto e Chefe Adjunto da Missão de Apoio das Nações Unidas na Líbia.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.