Tamanho do texto

Pesquisa aponta que meia hora de sono a menos durante a semana faz toda a diferença no peso corporal e pode ter consequências metabólicas, como diabetes

Pode parecer pouco, mas perder 30 minutos de sono por dia durante a semana pode ter consequências indesejáveis em longo prazo. De acordo com um novo estudo, dormir meia hora a menos todos os dias pode causar aumento do peso e interferir no funcionamento do metabolismo.

"Embora estudos anteriores tenham mostrado que a duração do sono curto está associada com obesidade e diabetes, verificou-se que menos de 30 minutos por dia a menos de sono já é suficiente para ter efeitos significativos sobre a obesidade e resistência à insulina", disse em comunicado o principal autor do estudo, Shahrad Taheri , professor de medicina no Weill Cornell Medical College, em Qatar, em Doha. "Isso reforça as observações anteriores de que a perda de sono pode ter consequências metabólicas".

>> MAIS: Conheça 12 erros que atrapalham o seu sono

O estudo também mostrou que não adianta compensar o sono perdido na semana durante o fim de semana. Os resultados da pesquisa foram apresentados na reunião anual da Sociedade de Endocrinologia, em San Diego, neste mês.

Leia também:
Déficit de sono tem efeito 'dramático' sobre o corpo humano, conclui estudo
Dormir demais é mais prejudicial à saúde do que dormir de menos, dizem estudos

"A perda de sono é muito comum na sociedade moderna, mas só na última década percebemos suas consequências metabólicas", disse Taheri. "Nossos resultados sugerem que evitar o débito de sono pode ter benefícios positivos para o peso corporal e para o metabolismo", explicou citando o efeito da falta de descanso em um quadro de diabetes tipo 2, doença estudada pelos pesquisadores.

Estudo mostrou que não adianta compensar o sono perdidodurante a semana no fim de semana
Getty Images
Estudo mostrou que não adianta compensar o sono perdidodurante a semana no fim de semana

Método

O professor Taheri e seus colegas recrutaram 522 pacientes com diagnóstico recente de diabetes tipo 2 e, aleatoriamente, colocaram essas pessoas em três grupos: atividades de rotina, intervenção com atividade física e dieta e intervenção com atividade física.

No início do estudo, peso e altura foram registrados, assim como a medida da circunferência abdominal para determinar a adiposidade central. Amostras de sangue em jejum também foram coletadas para verificar a sensibilidade dos participantes do estudo à insulina.

Os participantes fizeram um diário contando sobre sua rotina noturna por sete dias, incluindo a dívida de sono durante os dias úteis.

No início do estudo, em comparação com os participantes que não tinham débito de sono durante a semana, aqueles que apresentaram privação do descanso em dias úteis eram 72% mais propensos a ser obesos. Quando se alcançou a marca de seis meses, foi possível determinar que a falta de sono durante a semana era significativamente associada com obesidade e resistência à insulina.

Após 12 meses, para cada 30 minutos de débito de sono durante a semana no início do estudo, o risco de obesidade e pré-diabetes ou diabetes foi significativamente aumentado em 17% e 39%, respectivamente.

Os autores do estudo ressaltaram que os dados são importantes para tratar futuramente doenças metabólicas levando em consideração diversos fatores, inclusive a rotina de sono do paciente.

Continue lendo:
Dormir 'é chave' para combater obesidade
Estudo sugere que dormir tarde pode afetar aprendizado das crianças

LEIA MAIS EM SAÚDE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.