Tamanho do texto

Objetivo principal foi pedir o fim do preconceito, mas evento também lembrou a importância da prática de esportes pelas pessoas que têm a síndrome

Familiares, adultos e crianças participam da Caminhada Down no Parque do Ibirapuera em São Paulo, SP, neste domingo (22)
Renato S. Cerqueira/Futura Press
Familiares, adultos e crianças participam da Caminhada Down no Parque do Ibirapuera em São Paulo, SP, neste domingo (22)

Campeão mundial de futebol na Olimpíada para pessoas com deficiência intelectual de 2011, Juan Rodrigues do Nascimento, de 25 anos, era um dos participantes do CaminhaDown, evento que reuniu parentes, amigos e portadores da síndrome, entre a manhã e o início da tarde de hoje (22), no Parque do Ibirapuera em São Paulo.

O CaminhaDown é promovido pela organização não governamental (ONG) Movimentart, que estimou uma participação de cerca de mil pessoas no Ibirapuera. O objetivo principal foi pedir o fim do preconceito, mas o evento também lembrou a importância da prática de esportes por parte das pessoas que têm a síndrome.

Desde os 14 anos, Juan participa da Associação Sócio Desportiva JR de São Paulo, que estimula a prática esportiva entre portadores de deficiência intelectual. Entre as modalidades estão natação, ginástica artística, rítmica e futebol. A associação tem, no total, 110 alunos, com idades que variam de 4 a 62 anos.

>> Leia também:  “É preciso desmistificar a ideia de que pessoas com Down devem ficar em casa”

>> Veja também: Chef Henrique Fogaça dá aulas para quem tem síndrome de Down:

“O esporte, além de desenvolver a parte física, a qualidade de vida, proporciona uma sociabilização muito grande, um aumento da autoestima fantástico e uma independência muito grande. A gente participa de campeonatos, de eventos, onde eles têm que aprender a se virar sozinhos”, disse a técnica esportiva Cristina Maria Hitman, uma das organizadoras.

Juan começou a prática esportiva com a natação, ainda criança, para corrigir uma dificuldade respiratória, conta a mãe Flávia Rodrigues do Nascimento. “A mudança da natação para o futebol foi escolha dele. Ele sempre gostou muito de futebol. E em um campeonato que ele foi, fora de São Paulo, acabou sendo convocado para a seleção brasileira, para o campeonato na Grécia. A equipe ficou em primeiro lugar”, disse.

Leia mais:  "Não quero morrer antes do meu filho", diz mãe de adulto com síndrome de Down

Michel Lázaro Ferreira Alves, de 32 anos, que tem síndrome de Down, joga futebol pela associação e relata que coleciona vitórias. “Tenho várias medalhas. A gente entrou em um torneio e ficou em primeiro lugar. Quase perdemos no segundo tempo para o outro time, mas, no final, nós ganhamos”, disse Michel, que também pratica ginástica e natação na associação.

O CaminhaDown integra as atividades do Dia Internacional da Síndrome de Down, comemorado ontem (21). O evento contou também com atividades de rodas de dança, alongamento, pintura e fotografia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.