Tamanho do texto

Segundo estudo, homens têm 49% de chance de desenvolver hipertensão quando não fazem as refeições em casa, contra 9% das mulheres; cada refeição extra aumenta esse risco em 6%

Pesquisadores analisaram jovens adultos em idade universitária, entre 18 e 40 anos
Getty Images
Pesquisadores analisaram jovens adultos em idade universitária, entre 18 e 40 anos

Um estudo recente feito por pesquisadores da Escola de Graduação em Medicina Duke-NUS, em Singapura, e publicado no periódico “American Journal of Hypertension” é o primeiro a mostrar uma associação entre pressão alta com o hábito de comer fora de casa dos jovens universitários.

Os resultados da pesquisa destacaram fatores de estilo de vida que podem afetar a pressão arterial e enfatizam a importância de se manter atento ao consumo de sal e calorias nas comidas, para facilitar a escolha de refeições melhores quando comer fora.

Em termos globais, a pressão arterial elevada, ou hipertensão, é o principal fator de risco de morte associada à doença cardiovascular. Estudos têm mostrado que jovens adultos com pré-hipertensão, como é a chamada a condição de pressão arterial ligeiramente elevada, estão em risco muito elevado de desenvolver pressão alta. Comer fora de casa está associado a uma maior ingestão calórica, de gordura saturada e de sal, que os pesquisadores suspeitam serem o causador da pressão alta.

>> MAIS: Veja alimentos com uma quantidade excessiva de sódio


Tazeen Jafar, professor da Duke-NUS, idealizou e supervisionou o estudo para descobrir os comportamentos associados com a hipertensão em jovens adultos do sudeste asiático. A equipe coordenada por ele pesquisou 501 jovens adultos em idade universitária, entre 18 e 40 anos, em Singapura. Foram coletadas informações sobre pressão arterial, índice de massa corporal e estilo de vida, incluindo o tipo de alimentação que tiveram fora de casa, bem como o nível de atividade física de cada um. A associação com a pressão alta, então, foi determinada.

Estilo de vida

Usando análises estatísticas, a equipe de Jafar descobriu que o quadro de pré-hipertensão foi encontrado em 27,4% da população total, e 38% dos jovens comeram, por semana, mais de 12 refeições fora de casa.

Leia também:
Saiba quais são as causas da hipertensão e as doenças associadas a ela
Sal sem sódio pode ser pior que tradicional para quem tem pressão alta

O estudo também mostrou que os casos de pré-hipertensão eram mais recorrentes em homens do que em mulheres. Entre eles, 49% foram diagnosticados com o problema, contra 9% delas. Além disso, os pesquisadores descobriram que os com pré-hipertensão ou hipertensão tinham mais probabilidade de fazer mais refeições fora de casa por semana, bem como um índice de massa corporal maior, menos atividades físicas e fumarem na época.

O estudo também mostrou que comer uma refeição extra fora de casa aumenta o risco de pré-hipertensão em 6%.

"Embora tenham estudos conduzidos nos Estados Unidos e Japão para descobrir os comportamentos ligados à hipertensão, havia poucos sobre a população do sudeste asiático”, disse Jafar, em comunicado. “Nossa pesquisa liga aquela distância que havia entre esses estudos e destaca fatores como estilo de vida, que estão associados com a pré-hipertensão e hipertensão. Esses fatores são potencialmente modificáveis, e poderia ser aplicável a adultos jovens globalmente, especialmente aqueles de ascendência asiática”.

Os resultados do estudo podem ser usados ​​para modificar o comportamento por meio de mudanças nas recomendações clínicas. Médicos poderão, com os dados em mãos, aconselhar os jovens adultos a modificar seus hábitos, enquanto políticas públicas sobre alimentação podem mudar para regular melhor o sal e a gordura em restaurantes. Além disso, os médicos poderão advertir que os homens têm mais predisposição a ter pressão alta nessas condições.

Continue lendo:
Pressão alta em crianças afeta os rins e aproxima doenças graves
Exercícios podem reduzir efeitos do sal na hipertensão

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.