Tamanho do texto

Enzima LOX fragiliza os ossos e cria um terreno fértil para metástases; bloqueio ajuda a evitar difusão em câncer de mama do tipo estrógeno negativo

Bloquear a ação de uma enzima chamada LOX  pode evitar metástases em tumores de mama do tipo estrógeno negativo, que representa cerca de um terço dos casos - mas que é muito letal e encontra terreno fértil, se difundindo nos ossos. É o que diz uma pesquisa liderada pela Universidade de Sheffield, publicada no periódico científico Nature. 

Cerca de 85% dos tumores de mama que se difundem no corpo acabam nos ossos, se tornando um câncer mais difícil de se tratar
Thinkstock
Cerca de 85% dos tumores de mama que se difundem no corpo acabam nos ossos, se tornando um câncer mais difícil de se tratar


Cerca de 85% dos tumores de mama que se difundem no corpo acabam nos ossos, se tornando um câncer mais difícil de se tratar. Os pesquisadores evidenciam que o tumor, por facilitar a metástase, "fertiliza" os ossos e a enzima Lox, que modifica o ambiente ósseo deixando lesões e buracos no osso, facilita a metástase. Bloqueando essa enzima com um fármaco, é possível evitar a difusão do câncer e, portanto, as metástases. 

Leia também:  Remédio para HIV se mostra promissor em reduzir metástase em câncer de próstata

Os pesquisadores partiram da observação de que as pacientes com metástases (tumores secundários), tinham níveis mais altos desta enzima no sangue. Em uma série de experimentos em ratos, foi demonstrado que o LOX interrompia o processo normal de destrução e reconstrução óssea, deixando lesões e furos nos ossos, facilitando assim a difusão do tumor. 

Foi demonstrado por meio da pesquisa que, com a utilização dos fármacos, é possível bloquear a ação desta enzima: os testes com animais mostraram que um grupo de fármacos para osteoartrite, chamados bifosfonatos, poderiam impedir a difusão do câncer, também porque interferem no modo em que o osso é "reciclado", com intenção de reforçá-lo. 

>> MAIS: 20 mitos e verdades sobre o câncer


Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.