Tamanho do texto

Fumantes precisaram de uma dose 38% maior de fármaco para induzir a anestesia e uma dose 33% maior para manter essa anestesia em uma cirurgia em relação aos não fumantes

Fumar implica em receber uma dose maior de anestésicos, enquanto seria possível não deixar o corpo passar por esse estresse
Getty Images
Fumar implica em receber uma dose maior de anestésicos, enquanto seria possível não deixar o corpo passar por esse estresse

Um estudo publicado neste mês durante o Congresso Europeu de Anestesia, em Berlim, mostrou que fumantes e pessoas expostas à fumaça do cigarro (fumantes passivos) precisam de mais anestesia e mais analgésicos para atingir o mesmo nível de anestesia dos não fumantes.

O estudo foi conduzido por Erdogan Ozturk, do Departamento de Anestesiologia e Cuidados Intensivos da Bezmialem Vakif University, com seus colegas em Istambul, na Turquia.

A fumaça de cigarro carrega mais de quatro mil partículas com propriedades tóxicas e cancerígenas, tanto na forma de gás como em partículas. Um número limitado de estudos indicou que fumar aumenta a necessidade de anestesia, mas essa constatação não havia sido pesquisada em fumantes passivos. Nessa nova pesquisa, os cientistas investigaram se há alguma diferença entre fumantes, fumantes passivos e não fumantes em termos de anestesia para cirurgia e consumo de analgésicos.

Fizeram parte do estudo 90 mulheres que passaram por uma histerectomia abdominal. As pacientes foram divididas em três grupos, baseados na informação de exposição à fumaça do cigarro, confirmada por meio de um exame.

Uma anestesia intravenosa padrão foi administrada nessas pacientes. Uma medida que indica o grau de consciência dos pacientes foi mantida entre 40 e 60. Depois da operação, a quantidade total do anestésico propofol e do analgésico remifentanil usada foi registrada.

A quantidade de propofol usada para induzir rapidamente a anestesia foi, para o grupo de fumantes, de 102.76 mg. Para as fumantes passivas, 84.53 mg e, para as não-fumantes, 63.17 mg.

O fármaco administrado no grupo de fumantes foi 38% maior do que no grupo de não fumantes, e 17% maior do que o grupo de fumantes passivos. Para as que são fumantes passivas, a quantidade de propofol usada foi 18% maior do que no grupo das não fumantes.

O total de propofol usado para a manutenção da anestesia em períodos mais longos também foi diferente entre os grupos. Para o grupo de fumantes, fumantes passivas e não-fumantes, as quantidades usadas foram respectivamente de 179.38 mg, 150.50 mg e 119.37 mg. No grupo de fumantes, a quantidade usada foi 33% maior do que no grupo de não-fumantes e 16% maior do que o grupo de fumantes passivas. No grupo de fumantes passivas, a quantidade de anestesia foi 20% maior do que no grupo de não-fumantes.

>> Veja como parar de fumar sem engordar:

Os autores do estudo concluem que a quantidade de anestésicos e analgésicos necessárias para igualar o efeito anestésico em cirurgias similares foi maior em fumantes ativas e passivas, comparadas às não fumantes.

O estudo sugere que a nicotina pode afetar o metabolismo das drogas anestésicas no fígado ou pode dessensibilizar alguns receptores de dor.

Leia mais sobre saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.