Tamanho do texto

Suspeita era que Louise Bryant estivesse grávida; médicos pediram sete testes de gravidez ao longo de 12 semanas sem investigar outras causas

Louise Bryant, uma britânica de 26 anos, começou a sentir dores agudas na barriga e um sangramento anormal no meio do ciclo menstrual. Mesmo considerando de que isso não poderia ser uma gravidez, ela resolveu fazer um teste de farmácia. Deu negativo.

A mulher decidiu procurar médicos e eles pediram que ela repetisse o teste de gravidez sete vezes, durante 12 semanas. Só depois de todos os resultados negativos que a real causa da dor, do sangramento e da barriga protuberante foi investigada. O resultado? Era um tumor do tamanho de uma bola de futebol, que cobria todo o ovário direito. Por causa do tamanho, o tumor estava pressionando o estômago e outros órgãos, causando dor e deixando Louise com dificuldades para respirar.

Ela passou por uma cirurgia e, na biópsia, o tumor foi diagnosticado como um tipo raro câncer de ovário que é normalmente diagnosticado em adolescentes e mulheres jovens.

"Havia algo no meu estômago e ao redor, mas certamente não era um bebê. Era um tumor do tamanho de uma bola de futebol pequena", contou.

"O tumor estava pressionando meu pulmão e causando dificuldades para respirar".

Leia mais:  Exame de sangue detecta até 86% de casos de câncer de ovário precocemente

"Quando olho para trás, vejo que todos os sintomas eram de um típico câncer de ovário, e estou orgulhosa de ter sido persistente e insistido com os médicos por uma resposta", disse ela ao Daily Mail. 

Hoje, pouco depois de um ano da cirurgia, Louise Bryant está tentando engravidar. 

Leia mais notícias de saúde