Tamanho do texto

Procedimento não exige internação e mulher leva três meses para ficar protegida contra gravidez; saiba como funciona

Proteção contra gravidez já pode ser confirmada cerca de três meses depois do procedimento
Thinkstock/Getty Images
Proteção contra gravidez já pode ser confirmada cerca de três meses depois do procedimento

Conhecido como Essure, o método minimamente invasivo é uma alternativa à laqueadura convencional, que pode envolver cortes e exige anestesia, além de um tempo mínimo de internação.

Na técnica disponível no Brasil há alguns anos, duas finas molas de 4 centímetros de comprimento são inseridas nas tubas uterinas, gerando uma inflamação local que obstrui a passagem impedindo que o espermatozoide encontre o óvulo.

Segundo Bárbara Murayama, ginecologista e coordenadora da Clínica da Mulher do Hospital 9 de Julho, a técnica é definitiva, mas só pode ser confirmada cerca de três meses depois de feito o procedimento. Nesse meio tempo, a mulher que não deseja engravidar deve se valer de outros métodos anticoncepcionais. A laqueadura, explica a médica, é a obstrução do trânsito entre o ovário e o útero, por meio da tuba.

“Qualquer coisa que obstrua a tuba é considerada uma laqueadura. Quando nós falamos de laqueadura histeroscópica (Essure), fazemos uma obstrução desse trânsito sem ter nenhum corte e sem anestesia, coisa que antes não era possível”, diz ela. “Essa laqueadura pode ser feita via ambulatorial. Coloca-se a câmera dentro do útero por meio da vagina, assim é possível acessar as tubas uterinas e, por meio de um cateter, coloca-se o dispositivo”, explica.

A molinha é inserida nas tubas uterinas. Em três meses, forma-se uma fibrose e impede a passagem do óvulo
Reprodução/Pinterest/Jenny Jones
A molinha é inserida nas tubas uterinas. Em três meses, forma-se uma fibrose e impede a passagem do óvulo

O ginecologista Reynaldo Machado Junior, do Hospital Beneficência Portuguesa, diz que não há risco de a mola se deslocar com o tempo.

“A partir do momento que formou essa fibrose, ela fecha e não vai se deslocar mais. Esse é o período do processo que a gente chama de corpo estranho em adaptação”, descreve.

Desconforto

Bárbara conta que, na inserção das molas, a mulher pode sentir um desconforto abdominal semelhante a uma cólica, mas analgésicos comuns já barram essa dor.

“Alguns calmantes específicos ajudam a deixar a tuba com menos movimentação (menos contração) e a paciente mais calma, o que facilita o procedimento”, conta ela.

Leia também:
9 mitos sobre a fertilidade
O que a mulher precisa saber para engravidar depois dos 35 anos

Em 10 minutos, no entanto, as duas tubas são obstruídas e a laqueadura é completada com sucesso. Depois, só esperar os três meses e reavaliar se a tuba está completamente obstruída, o que é confirmado por meio de uma radiografia convencional.

Consentimento

Bárbara conta que qualquer mulher pode fazer a laqueadura, desde que assine um termo de responsabilidade. Uma mulher de 25 anos e sem filhos, por exemplo, pode fazer, desde que assuma essa responsabilidade. 

“Alguns estudos mostram que, abaixo dos 30 anos, a chance de a mulher se arrepender é maior do que acima dessa idade, mesmo que ela já tenha a prole constituída”, conta Bárbara. Segundo ela, isso acontece por causa de troca de parceiros e outros motivos que levam a mulher a desejar mais um filho.

“Costumamos sugerir outros meios de anticoncepção e recomendar que a laqueadura seja feita acima dos 30 anos e já com prole constituída”.

Ainda assim, a mulher que tiver esse desejo deve preencher um termo de consentimento livre esclarecido no mínimo 60 dias antes do procedimento.

“Se a paciente diz hoje que quer fazer a laqueadura, terá que assinar o consentimento agora, mas só será operada depois de dois meses, para que tenha tempo de digerir todas as informações e decidir”, explica a médica.

LEIA MAIS NOTÍCIAS DE SAÚDE

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.