Tamanho do texto

Hoje se acredita que aumentar a quantidade desses compostos na dieta ajudava a reduzir o colesterol no sangue, mas pesquisa italiana mostrou que não é bem assim; entenda

Muito provavelmente uma nova porta para a redução do risco de infarto será aberta: os pesquisadores da Faculdade de Medicina e cirurgia da Universidade Católica do Sacro Cuore e da Policlínica Agostino Gemelli, de Roma, na Itália, descobriram que, reduzindo a quantidade (concentração) de esterois vegetais no sangue, se reduz também a aterosclerose  e, portanto, o risco de infarto .

A observação dos pesquisadores da Universidade Católica, graças à análise detalhada dos dados de uma pesquisa clínica japonesa recentemente publicada no periódico  Journal of the American College of Cardiology (JACC) , pode trazer informações importantes pois, até hoje, acreditava-se que os esterois vegetais tivessem essencialmente um efeito positivo: ajudar a reduzir o LDL, o colesterol ruim no sangue. 

Em vez disso, de acordo com o novo estudo, justamente com esses esterois até agora considerados amigos do coração, pode estar à espreita um outro inimigo da saúde cardiovascular, a aterosclerose, um processo de endurecimento das artérias também causado, entre outros fatores, pelo colesterol em excesso na circulação . Na prática, a pesquisa italiana põe em xeque a eficácia da principal propaganda dos fitoesterois: a proteção do coração .

Para Filippo Crea, diretor do Departamento de Ciências Cardiovasculares da Policlinica Universitária Agostino Gemelli, até hoje não há estudos que estabeleçam a relação causal entre a inserção de esteróis vegetais na dieta e a redução do risco de infarto. Ainda assim, aponta o especialista, os resultados indicam a necessidade de mais pesquisas sobre o tema.

"Hoje não podemos afirmar se o efeito final seria neutro, ou se os efeitos positivos e negativos dos esterois vegetais na saúde cardiovascular se anulam reciprocamente". 

++ Veja a seguir alguns alimentos que ajudam a reduzir os níveis de colesterol no sangue:





Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.