Tamanho do texto

Estudo mostrou que uma noite de sono deixa a memória mais aguçada para relembrar de eventos com mais velocidade e vivacidade

alt " /
Thinkstock/Getty Images

Dormir não só protege memórias, mas também permite que elas fiquem mais fáceis de serem acessadas, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Exeter, no Reino Unido, e do Centro Basco de Cognição, Cérebro e Linguagem, da Espanha. As descobertas sugerem que dormir aumenta a propensão a recordar fatos que não poderiam ter sido lembrados se a pessoa tivesse permanecido acordada.

Em duas situações em que pessoas esqueceram informações ao longo de 12 horas acordadas, uma noite de sono se mostrou eficiente para promover acesso aos traços de memória que inicialmente estavam muito fracos para serem recuperados.

A pesquisa, publicada no periódico científico Cortex¸ rastreou memórias de fatos ou palavras antes de uma noite de sono. Os indivíduos foram convidados a recordar palavras imediatamente após a exposição e depois novamente depois de um período de sono.

A principal diferença aconteceu entre aquelas memórias de palavras que os participantes puderam lembrar tanto no teste imediato quanto no teste feito 12 horas depois. Algumas palavras que não foram relembradas no teste imediato conseguiram ser recuperadas no teste horas depois, por causa do sono, dizem os pesquisadores.

O estudo descobriu que, em comparação com a vigília diurna, o sono ajuda mais a resgatar memórias do que prevenir a perda delas. Nicolas Dumay, da Universidade de Exeter, explica:

"O sono quase dobra nossas chances de lembrar coisas que não conseguíamos antes. O impulso que a memória consegue depois do repouso pode indicar que algumas memórias são aguçadas durante a noite”. Segundo pesquisador, isso dá suporte para a tese de que, durante o sono, o cérebro consegue marcar as informações importantes para serem relembradas depois.

Veja também:  11 doenças que podem causar perda de memória

O impacto benéfico do sono na memória já está bem estabelecido, e o ato de dormir é conhecido por ajudar a lembrar de coisas do dia anterior . A ideia de que memórias também podem ser afiadas e avivadas por causa do sono, no entanto, ainda precisa ser amplamente explorada.

Dumay acredita que a melhora na memória venha do hipocampo, uma estrutura interna do lobo temporal do cérebro que descompacta episódios recentes que foram codificados e repassa para outras regiões do órgão que, originalmente, estavam envolvidas com a captação dessas informações. Isso levaria a pessoa a, efetivamente, experimentar novamente o que aconteceu naquele dia, explicam os autores do estudo.

++ Veja 16 alimentos que turbinam a inteligência:


Leia mais notícias de saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.