Tamanho do texto

Amethyst nasceu com uma síndrome rara que atinge uma a cada 500 mil crianças; cirurgia pioneira vai permitir que ela possa falar e comer normalmente

Amethyst Santos, uma filipina de três anos, nasceu com os lábios colados com a base da sua boca. Além disso, sua mandíbula era fundida e ela não desenvolveu a parte inferior. Em consequência disso, a pequena jamais foi capaz de comer ou falar. Uma cirurgia inovadora, no entanto, foi feita em Manila, nas Filipinas, para que a pequena garota possa levar uma vida normal e não precise mais ser alimentada por sondas. Ela está em recuperação do procedimento cirúrgico.

Além do problema bucal, Amethyst nasceu sem as mãos e os pés, mas aprendeu a caminhar e brinca com as irmãs mais velhas. Com a cirurgia, ela agora já consegue sorrir. As informações são do jornal DailyMail.

A garota atualmente está no hospital se recuperando da segunda cirurgia, que reconstruiu sua mandíbula. A mãe de Amethyst, Estrellita, disse que ela está ansiosa para provar os alimentos.

Reprodução/Daily Mail
"Amo todas minhas crianças, mas meu amor por ela é diferente. Se eu pudesse, daria tudo o que ela deseja. É assim o meu amor por ela"

"Ontem eu disse para ela que a boca dela seria aberta, e que ela seria capaz de comer comida normal, como sorvetes. Ela bateu palmas em comemoração. Nós estamos ansiosos e nervosos porque estamos esperando isso por três anos", disse.

Amethyst nasceu com uma síndrome rara chamada hipogênese oromandibular, uma combinação de sintomas que afeta uma a cada 500 mil crianças. 

A gestação de Estrellita foi complicada. "Eu sangrei durante quase um mês na gravidez. Os médicos descobriram com cinco meses de gestação que ela não estava totalmente formada". Quando Amethyst nasceu, os especialistas perceberam que a boca dela não abria.

"Eu chorei, chorei e perguntei 'Senhor, como vou conseguir dar conta? Como vou cuidar da minha criança?'", disse a mãe.

Apesar da deficiência, os pais e as irmãs mais velhas têm ajudado Amethyst a se desenvolver.

"Eu amo todas minhas filhas, mas meu amor por ela é diferente. Se eu pudesse dar tudo o que ela quer, eu daria. Isso é o quanto eu a amo". 

Leia mais sobre saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.