Tamanho do texto

Imagem corporal distorcida pode comprometer resultados

Pequenas imperfeições no rosto e no corpo são comuns na população e a evolução da cirurgia plástica tornou possível corrigir esses defeitos com o mínimo de danos. Entretanto, certos pacientes costumam exagerar nos pedidos nos consultórios, principalmente por terem uma imagem deturpada de si mesmos e até por desejo de se parecerem com outras pessoas. 

Exagerar nos pedidos para mudar a imagem corporal pode ser indicativo do transtorno dismórfico corporal, em que a pessoa nunca se sente bem com o próprio corpo
Getty Images
Exagerar nos pedidos para mudar a imagem corporal pode ser indicativo do transtorno dismórfico corporal, em que a pessoa nunca se sente bem com o próprio corpo

Esses indivíduos sofrem de um problema conhecido como dismorfofobia ou síndrome dismórfica, um transtorno psicológico caracterizado pela excessiva preocupação com defeitos imperceptíveis na aparência física. 

Mas, até que ponto os cirurgiões podem ceder a pedidos que beiram a loucura?  De acordo com o cirurgião plástico Fabio Antonio Naccache, do Hospital Sírio-Libanês, é preciso desmistificar a ideia de que a cirurgia pode corrigir absolutamente todos os defeitos e fazer qualquer tipo de mudança.

“O paciente muitas vezes vem iludido de que está diante de uma pessoa com uma capacidade ilimitada de resolver o problema. Deve ser explicado que o cirurgião tem limites para atuar. Se eu for além do que é possível, eu posso causar um problema para o paciente e o resultado pode não ficar bom.” 

Casos de cirurgias que não deram certo são vistos com frequência na internet, principalmente no mundo dos famosos.  Como a cirurgia plástica mexe com a aparência, é grande a chance de arrependimento com um procedimento mal planejado. 

>> Veja alguns cuidados a se tomar antes de fazer uma cirurgia plástica:

No entanto, nem todos os casos de insatisfação dizem respeito apenas ao excesso de expectativa do paciente e podem estar ligados a outros fatores, até mesmo a erros médicos. 

Um exemplo de cirurgia malsucedida que ficou conhecido foi o da apresentadora Xuxa, que relatou em uma entrevista a um programa de TV ter sofrido uma fibrose de grandes proporções após ser submetida a uma lipoaspiração. A fibrose, uma cicatriz interna, é comum em cirurgias, mas em pequenos tamanhos. 

Além do problema com a lipoaspiração, a apresentadora relatou que “ganhou” um botox na região do olho sem ser consultada. Ela disse que acordou da cirurgia no abdômen já com o preenchimento no rosto. 

Fora do mundo das celebridades, a publicitária Vivian Freitas, 27, também não alcançou o resultado esperado em uma cirurgia feita no nariz há quatro anos.  “Depois de estar completamente recuperada da cirurgia, percebi que o nariz ficou torto, uma aba ficou maior que a outra, a giba dorsal [proeminência no dorso do nariz] não foi modelada adequadamente e sobrou um pouco.”

A publicitária também se queixa de um desvio no septo adquirido após o procedimento.  “Depois de quatro anos, descobri que acabei com um desvio de septo que não tinha antes. Descobri porque tive sinusite e precisei fazer um exame”, diz.

Para evitar situações como essas, o cirurgião do Hospital Sírio-Libanês recomenda enfaticamente que o paciente tire todas as suas dúvidas antes de fazer a cirurgia e deixe o médico ciente do que exatamente pretende fazer.

“O cirurgião tem que, como todo bom médico, ouvir muito bem o paciente e entender porque ele está querendo aquilo, o que o motivou a ficar infeliz com aquele aspecto no seu corpo”, explica Naccache. 

Nesse caso da cirurgia de nariz, o médico menciona que, atualmente, já existe um tipo de cirurgia plástica que alia a estética à funcionalidade do órgão para evitar problemas como o relatado por Vivian.

“Estamos lidando com uma região de complexidade grande, porque o nariz não serve só como ornamento, serve para respirar. Muitas vezes trabalhamos juntos com o médico otorrino porque o paciente pode ter problemas.” 

Em relação aos possíveis resultados indesejados, Naccache diz que o paciente deve ser acolhido, orientado e pode se pensar num segundo procedimento de revisão para ver o que ocorreu.

Fonte: Site Coração & Vida (coracaoevida.com.br)

Leia mais sobre saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.