Tamanho do texto

Doença mata mais que dengue, Aids e câncer de mama. Hábitos saudáveis ajudam na prevenção

‘Quem imaginaria que uma pessoa nova pode ter um AVC?” O questionamento, que poderia ser da grande maioria dos brasileiros, é de Lucélia dos Santos, a auxiliar de 33 anos que sofreu um AVC hemorrágico aos 32. “Eu trabalho na saúde há 13 anos e não sabia que a doença acontecia em jovens”, conta. Segundo o Ministério da Saúde, mais de 13 mil pessoas entre 15 e 39 anos morreram com a doença nos últimos cinco anos.

Estresse pode ser causa do aumento dos casos de AVC nos mais jovens
Thinkstock Photos
Estresse pode ser causa do aumento dos casos de AVC nos mais jovens

Para Eduardo Fávero, cirurgião vascular do Hospital Souza Aguiar, o estresse pode ser um dos principais fatores para a doença entre jovens. “O controle da pressão e do açúcar no sangue é feito pelo estresse. Assim, a pessoa tende a fumar mais e a fazer menos exercícios físicos, ficando mais exposta aos fatores de risco”. O médico lembra ainda que comodidades como carro, controle remoto e fast food fazem com que as pessoas se movimentem cada vez menos.

Popularmente conhecido como “derrame”, o AVC pode ser isquêmico, mais comum, é um entupimento de artérias responsáveis pela circulação do sangue no cérebro, ou hemorrágico, quando uma artéria se rompe, geralmente, por causa de pressão alta.

A doença é uma das que mais matam no mundo, superando a Aids, a dengue e o câncer de mama. No Brasil, a cada cinco minutos, um brasileiro morre por causa do AVC. São mais de 100 mil óbitos por ano. Nesta quinta-feira (29), Dia Mundial de Combate ao AVC, a ONG Rede Brasil AVC promove ações de mobilização nas principais capitais. Com o lema ‘AVC. Eu me importo. E você?’, a ideia é aumentar a prevenção e melhorar o tratamento e a reabilitação das vítimas. A cantora Ivete Sangalo gravou um vídeo para a campanha, que circula nas redes sociais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.