Tamanho do texto

As gêmeas eram unidas pela região abdominal e realizaram a cirurgia de separação, bem sucedida, aos 5 meses

Mateus André, um fotógrafo brasileiro natural de Goiás, viajou 260km para registrar Maria Clara e Maria Eduarda. As gêmeas siamesas, que nasceram ligadas pelo abdômen e compartilhavam o fígado, são de uma família pobre de Salvador e estavam no Hospital Materno Infantil (HMI) em Goiânia.

Mateus fotografou as gêmeas unidas e depois da cirurgia de reparação
Mateus André
Mateus fotografou as gêmeas unidas e depois da cirurgia de reparação


Quando ficou sabendo que a cirurgia de separação das siamesas ia acontecer, Mateus registrou a nova fase na vida da família: "Marquei no dia seguinte para fazer as fotos, depois que li a matéria em um jornal, e que já haviam saído da UTI e ido para a enfermaria."


+ Leia também:  Justiça do Rio de Janeiro autoriza aborto de fetos gêmeos siameses

Gêmeas ainda unidas
Mateus André
Gêmeas ainda unidas


"O encontro foi incrível, vi aquelas lindas meninas que agora estão separadas corporalmente, mas a união simbólica e afetiva prevalece, continuam unidas, são irmãs, gêmeas, seres gerados na mesma barriga", conta Mateus que agora deseja que suas fotos saiam do computador para ir para um livro ou tela de um quadro.

As meninas após a separação
Mateus André
As meninas após a separação



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.