Tamanho do texto

Dor de cabeça latejante e incapacitante atinge 15% da população brasileira; saiba mais sobre o problema

No Brasil, 15% das pessoas levam a mão à cabeça e fazem caretas de dor com frequência: é a crise de enxaqueca que não perdoa eventos sociais, dias importantes no trabalho ou férias com a família. Quem sofre com esse problema, visita o médico para procurar a melhor medicação para controlar a dor e já recebe a recomendação: é preciso parar a dor ainda no início, pois, se ela se alastrar, vai demorar muito mais para um medicamento fazer efeito.

Tensão pré-menstrual, influência hormonal - como as pílulas anticoncepcionais - e até alguns alimentos podem desencadear uma crise. Mais frequente entre mulheres na faixa dos 20 aos 35 anos, felizmente há tratamentos que aliviam bastante essa dor incapacitante. 

O neurologista do Hospital e Maternidade São Luiz, Álvaro Pentagna, tira algumas dúvidas sobre enxaqueca: 

Crises podem durar desde poucas horas até dias; procurar um neurologista para o tratamento preventivo é importante para quem sofre com enxaqueca
Pixabay/Creative Commons
Crises podem durar desde poucas horas até dias; procurar um neurologista para o tratamento preventivo é importante para quem sofre com enxaqueca

- Quais são os sintomas mais comuns de quem sofre com enxaqueca?

O sintoma mais característico da enxaqueca é aquela dor de cabeça latejante geralmente de apenas um lado da cabeça. Náuseas e sensibilidade à luz e ao barulho também podem ser comuns. 

- O que dá para fazer para prevenir?

Um bom estilo de vida conta muito. Uma alimentação saudável, com frutas, legumes e verduras, pouco - ou nenhum - alimento industrializado, praticar atividade física com regularidade, controlar o estresse e dormir bem ajuda a prevenir as crises. Repare: depois de uma noite mal dormida, muitos reclamam que a cabeça está latejando. 

Boa alimentação, controle do estresse e bom sono ajudam a prevenir crises
Thinkstock/Getty Images
Boa alimentação, controle do estresse e bom sono ajudam a prevenir crises

- Por que alguns tipos de comida podem provocar crises de enxaqueca?

Ainda é um mistério para os médicos o motivo de alguns alimentos serem desencadeadores de crises, mas, se a pessoa sente que, ao comer determinado alimento a crise vem, é melhor retirá-lo da dieta. 

- Quais são esses alimentos?

Cada pessoa tem sua sensibilidade individual aos alimentos, mas os que recebem mais queixas após o consumo são embutidos, chocolates, laticínios, bebidas alcoólicas (especialmente o vinho tinto) e aquelas com cafeína, como café, chá mate, chá verde e preto. Os alimentos ricos em glutamato monossódico também são vilões para muitos enxaquecosos. Alguns alimentos cítricos (laranja, limão) podem causar crises de enxaqueca em algumas pessoas. 

- Quem sofre mais, homem ou mulher?

Mulheres, por causa das mudanças hormonais, são as que mais sofrem. Os sintomas podem surgir já na puberdade e aumentar entre os 20 e 35 anos. Além disso, a enxaqueca feminina pode ser genética, transmitida de mãe para filha. 

Mulheres são mais suscetíveis à enxaqueca por causa das oscilações hormonais
Thinkstock/Getty Images
Mulheres são mais suscetíveis à enxaqueca por causa das oscilações hormonais

- As oscilações hormonais nas mulheres podem provocar enxaqueca?

Sim. A TPM é o período em que as mulheres reclamam mais. A queda da progesterona, acredita-se, pode provocar a dor antes da menstruação. Já as mulheres que têm enxaqueca com aura (um tipo mais grave de enxaqueca) devem tomar mais cuidados, já que o uso de anticoncepcional hormonal não é recomendado. O cigarro também deve ser banido, já que esse tipo de enxaqueca aumenta o risco de a mulher sofrer um AVC. 

- É verdade que gestantes tem enxaqueca tanto quanto as mulheres na menopausa? 

Durante a gravidez, o quadro de enxaqueca costuma melhorar ou, pelo menos, permanecer igual. Já na menopausa, as mulheres param de ter enxaqueca devido às alterações hormonais.  

- O que dá para fazer durante uma crise?

Recomenda-se ir para um local silencioso e escuro e tomar o remédio para alívio da dor o quanto antes.  

- Como é feito o tratamento?

Existem dois tipos de tratamento para a enxaqueca: um deles visa acabar com a dor pontualmente, ou seja, o medicamento (anti-inflamatírios e analgésicos) é usado sob demanda; enquanto o outro é de caráter preventivo, ou seja, o medicamento deve ser usado diariamente (com ou sem dor) a fim de evitar ou minimizar a intensidade do quadro. Neste caso, os remédios prescritos costumam ser antidepressivos, anticonvulsivantes, anti-hipertensivo, antivertiginos entre outros.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.