Tamanho do texto

Stephanie Arnold teve visões de que morreria durante o parto e afirma que foi isso que preparou a equipe médica e a salvou

A norte-americana Stephanie Arnold não conseguiu acompanhar o nascimento do segundo filho. Quando o pequeno Jacob nasceu, a mãe teve complicações no parto e foi considerada morta por 37 segundos. As informações são do site do jornal britânico "Daily Mail". 

Stephanie Arnold com o pequeno Jacob nos braços
Reprodução/Daily Mail
Stephanie Arnold com o pequeno Jacob nos braços


Stephanie foi submetida uma cesárea e, durante a operação, teve uma "embolia de líquido amniótico" – quando o fluido que rodeia o feto no útero obstrui uma artéria pulmonar. A complicação é rara e geralmente fatal. 

Após 37 segundos, os médicos foram capazes de reanimá-la e agora, dois anos depois, ela conta ao jornal britânico sua história e ainda afirma que só foi salva graças a premunições que teve durante a gravidez. 

Ela afirmou que teve seis visões claras de que iria morrer durante a gestação de Jacob. A mãe estava tão certa de que teria problemas que chegou a se despedir do marido e da filha mais velha. "A razão por eu estar viva hoje e poder falar com vocês é ter tido as premunições e ter deixado todos preparados", comenta a norte-americana. 

Stephanie teve complicações no parto
Reprodução/Daily Mail
Stephanie teve complicações no parto


Na vigésima semana de gestação, a mãe, que mora em Chicago, nos Estados Unidos, teve um problema chamado placenta prévia - uma complicação pelo posicionamento da placenta, que se implanta na parte inferior do útero, cobrindo parcial ou totalmente o colo do útero. O problema pode causar hemorragias severas e colocar a gravidez em risco. Foi então que começaram as visões. 

Pela complicação, os médicos avisaram que Stephanie deveria fazer uma cesárea na hora do parto. A primeira filha dela já havia nascido por cesárea, sem qualquer problema. 

A mulher seguiu com as visões de morte e passou por diversos exames, que indicaram que o bebê estava bem. Ainda assim, ela escreveu vários bilhetes de despedida e, em um deles, disse que precisaria de uma bolsa extra de sangue durante o parto. "Foi isso que salvou a minha vida", diz Stephanie ao site do jornal. 

Durante o parto, ela teve a embolia do líquido aminiótico - que ocorre em uma em 40 mil gestações nos Estados Unidos. A mulher teve uma parada cardíaca e chegou "morrer" por 37 segundos. 

Os médicos a reanimaram, ela foi encaminhada a UTI, mas continuava com hemorragia e precisou passar por uma histerectomia (cirurgia para retirada do útero). 

Stephanie e os dois filhos
Reprodução/Daily Mail
Stephanie e os dois filhos


Stephanie ficou seis dias em coma induzido e os médicos não sabiam se ela ficaria com alguma sequela pelo tempo que o coração ficou parado e pela falta de oxigenação. Ela acordou bem e uma das primeiras coisas que perguntou foi: "Ainda estou grávida?". 

Atualmente, ela é saudável, assim com os dois filhos, e trabalha em pesquisa sobre a embolia. Ela também escreveu um livro com sua história. 



    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.