Tamanho do texto

CFM ampliou o número de doenças que podem ser tratadas com a cirurgia em pessoas com IMC acima de 35

A cirurgia bariátrica virou praticamente uma febre no Brasil nos últimos anos. Aclamada pelos médicos pelos resultados rápidos e eficazes, podendo reduzir não só a gordura corporal, como o diabetes, hipertensão e outras doenças, o CFM (Conselho Federal de Medicina) agora amplia o número de doenças em que a cirurgia bariátria pode ser aplicada. 

Leia também: Casal obeso perde 152 quilos após sentir vergonha das fotos de casamento

Obesidade
arquivo stockxpert
Obesidade


Antes, a cirurgia era aprovada apenas para tratamento da obesidade mórbida (IMC - índice de massa corporal - acima de 40) e em caráter de exceção em pessoas com IMC acima de 35 e com problemas de saúde como diabetes e hipertensão. Hoje, até mesmo a síndrome dos ovários policísticos pode ser tratada com a cirurgia. 

Disfunção erétil, hérnias de disco (que causam dor por causa do peso), asma sem controle e até mesmo a depressão agora entram na lista de comorbidades que podem ser elegíveis para a cirurgia nas pessaos com IMC acima de 35. 

Regras de idade também mudaram

Por lei, o médico só poderia operar um paciente maior de idade. Quando os riscos de não fazer uma cirurgia em alguém de 16 anos eram altos, era possível, em caráter de exceção, operar a partir dessa idade.

Agora, as regras estão mais flexíveis. Adolescentes menores de 16 anos também poderão fazer a cirurgia, desde que seja em caráter experimental e que passe pelo crivo da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep). Além disso, a cirurgia para maiores de 65 anos deve ser feita com maior cautela. 

Veja a lista de doenças que são elegíveis para a cirurgia, com IMC entre 35 e 40:

- diabetes

- apneia do sono

- hipertensão arterial

- dislipidemia (colesterol ou triglicérides altos)

- doenças cardiovasculares incluindo doença arterial coronariana, infarto
do miocárdio (IM) angina, insuficiência cardíaca congestiva
(ICC), acidente vascular cerebral, hipertensão e fibrilação atrial, cardiomiopatia
dilatada, cor pulmonale e síndrome de hipoventilação

- asma grave não controlada

- osteoartroses

- hérnias de disco

- refluxo gastroesofageno, com indicação cirúrgica

- colecistopatia calculosa (pedras na vesícula)

- pancreatites agudas de repetição

- esteatose hepática (gordura no fígado)

- incontinência urnária de esforço da mulher

- infertilidade masculina e feminina

- disfunção erétil

- síndrome dos ovários policísticos

- veias varicosas

- doença hemorroidária

- hipertensão intracraniana idiopática (pseudotumor cerebri)

- estigmatização social e depressão.

Leia mais sobre saúde

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.