Tamanho do texto

Pesquisa americana acompanhou mais de 20 mil grávidas por 10 anos; as que consumiam mais que 5 porções de batatas por semana tinham risco de 50% de desenvolver doença

Um estudo realizado nos Estados Unidos sugere que comer batata por vários dias da semana pode aumentar o risco de mulheres desenvolverem diabetes durante a gravidez.

Os autores acreditam que o risco ocorre porque o amido nas batatas pode desencadear um aumento acentuado nos níveis de açúcar no sangue durante a gravidez.

Alto consumo de batata pode aumentar risco de desenvolver diabetes na gestação
Thinkstock/Getty Images
Alto consumo de batata pode aumentar risco de desenvolver diabetes na gestação


A gravidez coloca "exigências adicionais" ao corpo e muitas mulheres desenvolvem um tipo de diabetes temporária conhecida como diabetes gestacional - que geralmente não perdura após o nascimento do bebê, mas pode colocar a saúde dele e da mãe em risco a longo prazo.

O estudo tentou investigar o que tornava algumas mulheres mais propensas a esse tipo de diabetes durante a gravidez.

A pesquisa acompanhou enfermeiras que ficaram grávidas entre 1991 e 2001. Nenhuma delas tinha doenças crônicas antes da gestação.

A cada quatro anos, os pesquisadores pediam às mulheres que fornecessem informações sobre a frequência com que comiam batatas – e registravam os casos de diabetes gestacional.

Durante um período de 10 anos, houve 21.693 gestações, das quais 854 acabaram afetadas por diabetes.

O estudo levou em consideração também alguns fatores de risco, como idade, histórico familiar de diabetes, dieta geral, atividade física e obesidade.

O resultado sugeriu que as mulheres que comiam de 2 a 4 porções de 100g de batatas cozidas, fritas ou em purê durante a semana, teriam 27% de chance de desenvolver a doença na gestação.

Leia também:  Casal transforma câncer de filho em videogame para 'exorcizar' dor da perda

A pesquisa acompanhou mais de 20 mil grávidas por 10 anos
Reprodução
A pesquisa acompanhou mais de 20 mil grávidas por 10 anos

Aquelas que comiam mais do que cinco porções de batatas por semana tinham um risco de 50%.

Os pesquisadores estimam que se as mulheres trocarem batatas por vegetais ou grãos pelo menos duas vezes por semana, seu risco de diabetes cairia para 9% a 12%.

Cuilin Zhang, principal autor do estudo, do National Institute of Health in Maryland (EUA), ressaltou a importância dos resultados.

"Diabetes gestacional pode levar mulheres a desenvolver pré-eclampsia durante a gravidez e hipertensão", disse ela. "Isso pode afetar o bebê de alguma forma e, no longo prazo, a mão pode ter um risco mais alto de desenvolver diabetes tipo 2."

Leia também: O que são as misteriosas marcas de 'aranhas' que aparecem em Marte

Conclusões
Mas especialistas britânicos reforçaram que não há evidências o suficiente para alertar as mulheres grávidas pedindo que parassem de comer muita batata.

"O estudo não prova que comer mais batatas antes de engravidar irá aumentar o risco de uma mulher desenvolver diabetes gestacional, mas com certeza mostra uma possível e potencial associação entre as duas coisas", afirmou Emily Burns, da instituição Diabetes UK.

"O que nós efetivamente sabemos é que mulheres podem reduzir significativamente o risco de desenvolver diabetes gestacional administrando melhor seu peso por meio de uma dieta saudável, balanceada e com atividades físicas."

O chefe de ciência nutritiva do Sistema de Saúde Pública da Inglaterra, Louis Levy, também reforça que não dá para concluir nada apenas com esse estudo.

Leia também: Por que a Nasa quer levar batatas para Marte

"Como os próprios autores reconhecem, não é possível comprovar causa e efeito nesse estudo", disse. "As evidências científicas nos dizem que temos de comer mais alimentos ricos em amido, como batatas, pão, massas e arroz, bem como frutas e legumes, para aumentar o consumo de fibras e proteger a saúde do intestino."

"Nosso conselho continua a ser o mesmo: refeições com uma variedade de alimentos ricos em amido, incluindo as batatas com casca, e uma variedade de grãos integrais sempre que possível."

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.