Tamanho do texto

Médico explica o que é a Síndrome Demencial, que atinge idosos; é possível tratar e elevar a qualidade de vida

Alterações cognitivas em pacientes idosos são frequentes, ainda mais com o avançar da expectativa de vida. A estas alterações, usualmente afetando a memória, dá-se o nome genérico de Síndrome Demencial.

Em medicina, o termo "síndrome" descreve um conjunto de sinais e sintomas que podem ser originados por diferentes doenças.

Qualidade de vida do idoso cai com a Síndrome Demencial, mas é um problema que pode ser tratado
Pixabay/Creative Commons
Qualidade de vida do idoso cai com a Síndrome Demencial, mas é um problema que pode ser tratado

Assim, a Síndrome Demencial pode ter várias causas (etiologias), relacionadas à própria idade (demência vascular), a alterações degenerativas (como na doença de Alzheimer), a fatores ambientais (como por exemplo indivíduos que se expuseram a impactos constantes na cabeça, como lutadores de boxe) e a fatores que perturbem a circulação normal do liquido céfalo-raquidiano (liquor).

É muito comum, ao nos depararmos com alguém de mais idade que apresenta problemas de memória, nos referirmos a esta pessoa como portadora da Doença de Alzheimer, causa mais conhecida da população de alterações de memória.

É importantíssimo frisar, no entanto, que toda alteração de memória deve ser investigada por médico especializado (usualmente o neurologista) pois algumas tem possibilidade de tratamento que, por sua vez, quanto mais precocemente introduzido, melhores resultados alcança.

Na coluna desta semana resolvi abordar uma das causas tratáveis de demência: a hidrocefalia de pressão normal.

Esta doença ocorre por uma falha na circulação normal do liquor pelo cérebro. O liquor é uma substância produzida diariamente pelo nosso cérebro, destinada a envolvê-lo em uma espécie de "colchão d'água", que lhe confere proteção.

O liquor é produzido dentro dos ventrículos cerebrais e deve circular em direção à coluna cervical, torácica e lombar, aonde será reabsorvido enquanto outra leva, mais nova, é produzida.

Quando a circulação do liquor não se dá de forma adequada, pode haver um "transbordamento" dos ventrículos para o tecido cerebral adjacente.

Usualmente este transbordamento acomete as fibras cerebrais que fazem a associação de idéias de um hemisfério cerebral com o outro, causando seu malfuncionamento e, portanto, dificuldades com a memória.

O que diferencia a demência oriunda desta causa são os sintomas que a acompanham: alteração de marcha (dificuldade para caminhar) e incontinência urinária.

Esta tríade de sintomas foi originalmente descrita por Hakim e Adams, em 1965, que verificaram que pacientes com dificuldade para caminhar, alterações de memória e incontinência urinária frequentemente tinham um distúrbio na circulação do liquor.

O tratamento consiste na realização de um procedimento cirúrgico destinado a restaurar o fluxo normal de liquor, usualmente conseguido através do implante de uma "válvula", que leva o liquor do interior dos ventrículos para outra cavidade do corpo aonde possa ser reabsorvido sem prejuízos.

A tríade de Hakim e Adams caracteriza, pois, esta doença, chamada de Hidrocefalia de Pressão Normal.

O diagnóstico é principalmente clínico, com a caracterização de padrões específicos de marcha e déficit de memória.

Exames complementares somente confirmam ou afastam o diagnóstico, sendo sempre enfatizada a suspeita clínica.

Por se tratar de uma causa potencialmente reversível de demência, com tratamento cirúrgico simples e conhecido há séculos, é fundamental o diagnóstico precoce. Quanto mais cedo o tratamento for realizado, maiores as chances do paciente voltar a caminhar normalmente, controlar sua micção e reduzir os déficits de memória.

.
Arquivo pessoal
.

Por isso, se houver uma associação dos sintomas acima descritos, não demore em procurar um especialista. Afinal, lembre-se: tempo não é dinheiro. Tempo é vida! 

**Dr Paulo Porto de Melo é neurocirurgião formado pela UNIFESP, especialista em Neurocirurgia pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia e colaborador do Departamento de Neurocirurgia da Universidade de Saint-Louis (EUA). Facebook: @DrPauloPortoDeMelo e Instagram @ppmelo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.