Tamanho do texto

Saiba como identificar a causa da condição e o que fazer para resolver o problema; sintoma pode ser alerta para enxaqueca, labirintite e desidratação

Tontura é uma das reclamações mais comuns em ambulatórios e pode ser um sintoma de várias condições
Thinkstock/Getty Images
Tontura é uma das reclamações mais comuns em ambulatórios e pode ser um sintoma de várias condições

Quando aquela sensação de que o ambiente ao redor parece girar mesmo que nada tenha se movido de verdade, o senso de equilíbrio corporal fica alterado e enjoos começam a surgir, é sinal de tontura.

 Leia também: Inglês tem dores de cabeça tão fortes que sente vontade de se espancar

Apesar de comum, sendo uma das queixas mais comuns nos ambulatórios, a tontura é a soma de sensações como vertigem, atordoamento, cabeça leve e instabilidade e não pode ser ignorada. Além de afetar completamente a capacidade do indivíduo de trabalhar, estudar, socializar e dormir, ela serve como um alerta de que o algo não está certo no organismo e precisa ser investigado.

As causas podem variar: labirintite, pressão alta, desidratação ou inflamação no ouvido. Para conseguir descobrir qual a origem desse sintoma é preciso observar outros comportamentos que poderão indicar o tratamento mais adequado para o problema.

Para entender mais sobre essa condição, a professora e diretora-médica Sarah Brewer falou ao Get the Gloss sobre as situações mais comuns que provocam tontura e como elas podem ser tratadas, seja por meio de medicação prescrita ou mudanças de estilo de vida.

Pressão baixa

Também conhecida como hipotensão , a baixa pressão arterial geralmente é diagnosticada quando atinge valores iguais ou inferiores a 9 por 6 (90 mmHg x 60 mmHg).

Pode ser hereditária, mas também é ocasionada por fatores externos. "A pressão arterial baixa pode ser causada por um movimento rápido demais, especialmente em pessoas mais velhas, desidratação, efeitos colaterais de medicamentos ou ingestão de refeições pesadas, que desvia o sangue para os intestinos para ajudar a digestão", explica Brewer.

Em alguns casos mais graves, é possível envolver perda de sangue – hemorragia - e reações alérgicas graves.

Os sintomas que caracterizam essa condição incluem, além da sensação de tontura, corpo frio e úmido, visão embaçada, zumbindo nos ouvidos e frequência cardíaca elevada.

O que fazer

Ao perceber a queda de pressão, o ideal é deitar de barriga para cima e apoiar as pernas em uma cadeira, elevando-as acima da altura do resto do corpo.

Caso a pressão baixa esteja associada a dores de cabeça persistentes, fadiga e ansiedade, é importante procurar um médico, pois pode significar síndrome de hipotensão.

Se houver o uso de medicamentos, é preciso verificar com um médico ou farmacêutico para ver se isso pode estar contribuindo para o quadro.

Fazer algumas modificações na dieta também pode ser eficaz. "Se não houver causas subjacentes tratáveis, você pode aumentar a ingestão de sal e evitar a desidratação bebendo muita água".

Leia também: Dor de cabeça pode se agravar se tratamento correto não for feito

Desidratação

Além de ser uma causa de baixa pressão arterial, a desidratação em si também pode ser responsável por tonturas e vertigem. A condição pode ocorrer como resultado de insolação, diabetes, diarreia, vômitos, consumo excessivo de álcool ou exercício extenuante.

Os sintomas incluem sede, cansaço, urina escura, pele seca, boca seca, dores de cabeça, respiração rápida, falta de energia, confusão, irritabilidade e até mesmo desmaios.

O que fazer

Basicamente aumentar a ingestão de água. A Dra. Brewer recomenda beber de dois a três litros por dia de forma lenta e regular.

Se a desidratação estiver ocorrendo como um efeito colateral de vômitos, é necessário tomar um medicamento diurético ou consultar um médico.

A urina de pessoas bem hidratadas deve ser de cor amarela ou clara, por isso, para saber se está melhorando, é importante reparar nesse fator.

Ouvido inflamado

Em caso de sensação de desequilíbrio, perda de audição ou ao tocar a região interna da orelha ouvir um zumbido, é possível que o ouvido esteja inflamado.

A acumulação de fluido nos ouvidos, a diminuição do fluxo sanguíneo, alergias e reações autoimunes são algumas das causas mais comuns.

O que fazer

A especialista recomenda a consulta com um médico para realização de exames, e eventual prescrição de medicamento.

Além disso, ela aconselha a redução do consumo de sal, cafeína, álcool e tabagismo.

Para alívio a curto prazo de tonturas causadas por problemas nos ouvidos, ela recomenda que o paciente deite e feche os olhos ou os conserve fixos em um objeto e mantenha essa posição por algum tempo. Evite também virar a cabeça rapidamente.

Vertigem posicional paroxística benigna

A vertigem posicional paroxística benigna (VPPB) é um problema específico do ouvido que causa repetidos e breves períodos de vertigem - tonturas com sensações de movimentação - ao mover a cabeça, deitar, virar ou levantar-se.

A Dra. Brewer acrescenta que essa condição também pode ser acompanhada de náuseas, vômitos ou movimentos oculares rítmicos anormais. A VPPB é considerada a causa mais comum de vertigem, representando 20% dos casos. Os sintomas geralmente duram menos de um minuto.

A especialista explica que não existe uma causa específica para a VPPB. "Pode ser devido a uma supersensibilidade aos movimentos de fluidos dentro dos canais semicirculares da orelha, que detectam mudanças de movimento e posição ou devido a pequenos cristais de carbonato de cálcio desalojados de outras partes da orelha interna", explica ela.

O que fazer

Recomenda-se evitar movimentos que possam provocar os sintomas de desconforto e visitar um médico caso o quadro não melhore.

Ansiedade e estresse

Essas condições podem ser provocadas por situações extremas e, em casos mais sérios, podem ser sintomas de uma crise de pânico, quando associados a sentimentos de medo, transpiração, náusea, tremores e palpitações cardíacas.

Os disparadores desses sintomas são individuais e variam de pessoa para pessoa, podendo ser desde um choque ou trauma anterior para um acúmulo de estresse ao longo do tempo.

O que fazer

Apesar de complexo, é possível enfrentar esse quadro a longo prazo com ajuda de terapias.

A curto prazo, a médica aconselha respirar calmamente, devagar e profundamente. Ela também recomenda tomar chás naturais que ajudam a diminuir os sintomas e relaxar.

É necessário também verificar com um médico ou farmacêutico se há o uso de algum remédio que possa estar provocando essas sensações.

Enxaqueca

A vertigem muitas vezes pode ser um sinal de enxaqueca, particularmente aquelas acompanhadas de problemas na visão, náuseas e às vezes dor de cabeça.

O que fazer

Em termos de tontura associada à enxaqueca, evitar os gatilhos é a chave para a melhora. O estresse, a desidratação e a tensão do pescoço são alguns dos mais comuns.

Se já é tarde demais para parar a enxaqueca é possível fazer uso de remédios como paracetamol, aspirina ou ibuprofeno. Em casos particularmente dolorosos e contínuos, o ideal é procurar um médico.

Labirintite

A labirintite é uma infecção no ouvido, que afeta o labirinto e as estruturas responsáveis pela audição e equilíbrio. Os sintomas comuns são as vertigens, náuseas, vômitos, perda auditiva, dor de cabeça e zumbido.

O que fazer

Beber bastante líquido, repouso na cama e medicação contra a vertigem pode ajudar se o problema de labirintite for relacionado à infecção for viral, no entanto, o recomendado é procurar um médico o quanto antes para um diagnóstico adequado.

Leia também: Sofre com enxaqueca? Tire 9 dúvidas sobre a doença que afeta milhões de pessoas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.