Tamanho do texto

Doença pode ser evitada por meio de exercícios físicos, controle de peso e alimentação saudável; veja como saber se você corre risco de ter diabetes

Mudança na alimentação é um dos hábitos que devem ser levados em conta para quem precisa prevenir a diabetes
FreePik
Mudança na alimentação é um dos hábitos que devem ser levados em conta para quem precisa prevenir a diabetes

Mais de 14 milhões de brasileiros são diabéticos, de acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD). Considerando o mundo todo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que sejam 422 milhões de adultos com o diagnóstico da condição que se caracteriza pelo aumento dos níveis de açúcar no sangue e que pode causar complicações graves se não estiver controlada, como cegueira, amputação e até impotência sexual.

Leia também: Cientistas criam adesivo de insulina que pode substituir injeções em diabéticos

Existem dois tipos de diabetes . O tipo 1, que é quando o pâncreas não consegue mais produzir insulina, fazendo com que o aumento de açúcar no sangue aconteça exageradamente. Cerca de 10% da população com a doença é afetada por esse tipo.

Já o tipo 2 , mais comum, afetando 90% dos diabéticos, acontece quando o organismo começa a ter uma resistência à ação da insulina , ou não produz insulina suficiente para suprir suas necessidades, fazendo com que o açúcar se acumule no sangue.

Nesse caso, apesar de existir alguns fatores de risco que podem influenciar a diabetes tipo 2 em algumas pessoas, como idade acima de 45 anos, obesidade, histórico familiar, sedentarismo e consumo elevado de álcool, existem alguns cuidados que podem reduzir as chances da doença se desenvolver.

Verifique se está em risco

Segundo a SBD,  metade dos 14 milhões com diabetes não sabe que vive com a patologia. Por ser uma doença totalmente silenciosa, sem sintomas, a falta de acesso a atendimento de qualidade e informação colaboram para que a patologia seja descoberta tardiamente.  

Para detectar a doença existem três tipos exames, que devem ser feitos regularmente com indicação e acompanhamento de um médico. O mais comum é o de glicemia de jejum, onde o nível de açúcar no sangue é medido, e os valores devem estar entre 65 e 99 miligramas de glicose por decilitro de sangue.

Corte bebidas açucaradas e alcoólicas

Pesquisas publicadas no ano passado descobriram que cada dose diária de 200 ml de bebida açucarada, como refrigerantes, sucos ou energéticos, o risco de ter diabetes tipo 2 é aumentado em 20%.

Além disso, o consumo de álcool também eleva o risco da doença, já que a substância reduz a sensibilidade à insulina, provocando pancreatite crônica e aumentando o peso.

Controle o peso

O excesso de peso aumenta o risco de desenvolver a doença . Uma circunferência da cintura saudável é inferior a 80 cm para mulheres e 94cm para homens.

Se você precisa diminuir, reduza as gorduras, açúcar e sal na sua dieta. Certifique-se de que você está consumindo porções de frutas e vegetais diariamente, junto de muita fibra, como pão integral, cereais integrais, noz, semente e farelo.

Faça algum exercício

A atividade física pode ajudar a prevenir a condição aumentando o uso de glicose pelos músculos, estimulando o uso mais eficiente de insulina e ajudando as pessoas a perder peso.

Em 2016, pesquisadores combinaram dados de 28 estudos anteriores e descobriram que aqueles que fizeram o equivalente a 150 minutos de atividade aeróbica moderada por semana - o mínimo recomendado pelo governo - foram 26% menos propensos a ter diabetes tipo 2.

Engana-se quem pensa que as atividades físicas podem ser feitas apenas em academia. A atividade moderada pode ser considerada qualquer coisa que faça o coração bater mais rápido, como fazer jardinagem, descer do ônibus algumas paradas antes do destino cedo e caminhar rapidamente até ele, ou estacionar o carro longe da porta do estacionamento do supermercado e caminhar esse trajeto com as compras.

Durma bem

Estudos já mostraram que a privação do sono aumenta os níveis do hormônio do estresse e da fome, fazendo com que esses sintomas estejam mais aflorados. Depois de analisar 312 estudos, a Fundação Nacional do Sono dos Estados Unidos concluiu que o tempo ideal para um adolescente de 14 a 17 anos dormir é de 8h a 10 h, adultos de 18 a 64 anos podem ficar na cama de 7h a 9h, enquanto aqueles com idade igual ou superior a 65 anos podem ter uma noite de sono de 7h a 8h.

Leia também: Diabetes cresceu 61,8% no Brasil nos últimos dez anos, mostra pesquisa

É importante lembrar que se algum sintoma de diabetes for detectado, como boca seca, sede que não passa, vontade de fazer urinar a toda hora e diminuição de peso sem perda de apetite, um médico deverá ser consultado para melhor orientação e controle da doença.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.