Tamanho do texto

Hoje são 466 milhões de pessoas com problemas auditivos no mundo todo, mas número pode chegar a 900 milhões se medidas não forem tomadas

Das 466 milhões de pessoas que sofrem com algum problema de audição no mundo todo, 34 milhões são crianças
Prefeitura de Osvaldo Cruz (SP)
Das 466 milhões de pessoas que sofrem com algum problema de audição no mundo todo, 34 milhões são crianças

O número de pessoas com surdez ao redor do mundo pode dobrar até 2050 e chegar a 900 milhões de indivíduos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A informação foi divulgada nesta quinta-feira (1º) e faz parte de uma campanha para prevenir e advertir sobre os desafios no campo da audição nos próximos 30 anos em alusão ao Dia Mundial da Audição, celebrado no próximo sábado, 3 de março.

Leia também: Estudo sugere que uso prolongado de trem e metrô pode causar surdez; entenda

A OMS aproveitou a data para fazer um apelo aos governos para que tomem medidas para frear este aumento de casos de surdez . Segundo a organização, atualmente, cerca de 466 milhões de pessoas possuem problemas auditivos - sendo 34 milhões crianças. Há cinco anos o número total de casos era de 360 milhões, o que aponta um crescimento de quase 30% neste período. A organização disse ainda que em 2030 o número de afetados poderia alcançar os 630 milhões.

Durante entrevista coletiva, a responsável pelo Departamento da Prevenção da Surdez da OMS, Shelly Chadha, ressaltou que um dos principais fatores que justificam a alta no número de casos é o envelhecimento da população.

Além disso, a médica afirmou que a persistência de determinadas infecções, o uso de remédios que danificam o ouvido e a exposição a sons fortes também estão entre os principais causadores da perda de audição no mundo. As informações são da Agência EFE .

Leia também: Uso incorreto de fone de ouvido pode levar à perda total de audição; entenda

Medidas

"Todas estas causas podem ser prevenidas, mas precisamos de ações urgentes e firmes dos governos", declarou Chadha. Para tanto, ela propôs fomentar medidas de prevenção através de políticas de saúde pública e garantir o acesso aos serviços de diagnóstico e tratamento no mundo todo.

"A tecnologia e a medicina conseguiram avanços incríveis no campo da audição , mas isto não significa nada se existem comunidades que não são capazes de identificar a perda de audição em uma criança", opinou a especialista.

O diretor do Departamento de Doenças Não Transmissíveis e Incapacidade, Violência e Prevenção de Lesões da OMS, Etienne Krug, destacou que "uma de cada dez pessoas poderiam ter problemas auditivos até 2050 se medidas não começarem a ser tomadas".

Segundo a OMS, a perda de audição afeta as pessoas de várias maneiras e tem um grande impacto nas habilidades comunicativas das pessoas e também nas suas capacidades sociais, de aprendizagem e de trabalho, por sua vez contribui para a pobreza, o isolamento social e uma maior sensação de solidão. Neste sentido, o fato de não abordar os problemas auditivos custa aos países por volta de US$ 750 bilhões por ano em custos diretos de saúde e perda de produtividade.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a metade dos casos de surdez poderia ser prevenida e, no caso das crianças, 60% deles.

Leia também: Surdez pode favorecer desenvolvimento de depressão e demência, diz estudo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.