Tamanho do texto

Gripe, pneumonia e asma são algumas das condições que aumentaram os registros nas unidades de saúde da capital; alta deve continuar até agosto

Crianças e idosos são as principais vítimas de doenças respiratórias durante o outono e inverno
shutterstock
Crianças e idosos são as principais vítimas de doenças respiratórias durante o outono e inverno

As doenças respiratórias, comuns no período entre o outono e inverno, já começaram a atingir a população e foram responsáveis por uma alta de 30% nos atendimentos das unidades de saúde da cidade de São Paulo, conforme informou a Secretaria Municipal de Saúde.

Leia também: Funciona mesmo? Dói? Quem pode tomar? Tire suas dúvidas sobre a vacina da gripe

Nas últimas semanas, a capital paulista registrou queda na temperatura e baixa umidade relativa do ar, situação agravada pela poluição atmosférica, o que propicia o quadro de bronquite, asma, gripe, resfriado, pneumonia e outras doenças respiratórias .

No Hospital Municipal Infantil Menino Jesus, localizado na região central de São Paulo, notificou a secretaria sobre a intensificação da procura por atendimento em razão dessas doenças respiratórias.

Segundo os dados repassados à pasta, de janeiro a fevereiro, foram atendidas cerca de 3,5 mil crianças por mês. Em março e abril, o número superou de 5 mil a 6 mil atendimentos. A perspectiva é de que essa quantidade deve continuar subindo até o começo de agosto, período em que as condições climáticas são mais favoráveis para o desenvolvimento das condições.

A médica Maisa Kairalla, presidente da Sociedade de Geriatria e Gerontologia de São Paulo alerta que além das crianças, os idosos também estão entre os mais prejudicados pelo aumento do número de casos das doenças respiratórias.

“Idoso morre, ou de queda, ou de pneumonia . E a pneumonia é a terceira causa de internação hospitalar no Brasil, sendo que 60% dos internados são idosos”, ressaltou Kairalla.

A médica aponta que, mesmo quando o idoso consegue recuperar a capacidade respiratória após o tratamento de uma pneumonia, ele quase sempre sai com a saúde geral pior do que quando deu entrada no hospital. “O melhor é prevenir. Existe vacinação gratuita no postos de saúde contra a influenza , que predispõe à pneumonia bacteriana”, esclarece Maísa. “O idoso acamado demora, depois, seis meses para se recuperar da internação”, disse.

Leia também: Fake news: não existe vírus da gripe H2N3 circulando no Brasil, diz ministério

Circulação de vírus

Idosos, crianças de 6 meses até 5 anos e outras pessoas do público-alvo devem se vacinar contra gripe
shutterstock/Reprodução
Idosos, crianças de 6 meses até 5 anos e outras pessoas do público-alvo devem se vacinar contra gripe

Nos dias frios, as doenças respiratórias crescem por causa do ciclo de vida dos vírus e bactérias. Outro fator que contribui para o aumento dessas patologias é que as pessoas permaneçam em ambientes confinados.

Por isso, a orientação é manter sempre os ambientes arejados e limpos. Nos dias secos, utilizar umidificadores de ar ou colocar bacias com água nos cômodos, além tomar bastante água. As principais formas de prevenção incluem lavar as mãos, não fumar e evitar aglomerações. A vacinação contra a gripe reduz a hospitalização e a internação por pneumonias.

Balanço de casos

A Secretaria da Saúde de São Paulo informa que contabiliza somente casos de gripe grave, caracterizados como Síndrome Respiratórias Aguda Grave, com notificação obrigatória. Em 2018, foram notificados 146 casos no Estado até o momento atribuídos ao vírus Influenza, que causou 25 óbitos.

O Centro de Vigilância Epidemiológica monitora a circulação do vírus desde 2011. A campanha de vacinação contra a gripe para grupos considerados vulneráveis, como gestantes, idosos e crianças menores de cinco anos, começou em 23 de abril e já imunizou mais de 2 milhões de pessoas. A vacina está disponível na rede pública.

Leia também: Pneumonia mata 1,6 milhões ao ano e ainda há dúvidas de como se prevenir

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.