Tamanho do texto

Medicamento ajuda a combater infecções causadas pela condição; remédio será vendido pelo menos 35% mais barato do que o fármaco de referência

O remédio é vendido com 28 comprimidos com 400 miligramas de sofosbuvir, que ajuda no tratamento da hepatite c
shutterstock
O remédio é vendido com 28 comprimidos com 400 miligramas de sofosbuvir, que ajuda no tratamento da hepatite c

A partir de agora, pacientes com hepatite C crônica poderão encontrar um novo medicamento como opção para o tratamento de infecções causadas pela condição. O sofosbuvir, genérico inédito no Brasil, foi registrado nesta segunda-feira (21) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Leia também: SUS terá novo medicamento para hepatite C a partir dos próximos seis meses

Com o nome comercial de Sovaldi, o fármaco se mostrou eficaz em pessoas com hepatite C crônica. O remédio será utilizado como um componente da combinação do regime de tratamento antiviral e atua como inibidor da polimerase NS5B, enzima essencial para a replicação do vírus que provoca a doença.

Fabricado pela farmacêutica Gilead Sciences, ele será vendido em frascos, contendo 28 comprimidos revestidos. Cada um contém 400 miligramas de sofosbuvir. Até o momento, não havia genéricos do medicamento sofosbuvir .

Ainda de acordo com a Anvisa, a aprovação do sofosbuvir deve reduzir os custos do tratamento para hepatite C, uma vez que medicamentos genéricos entram no mercado com valor no mínimo 35% menor que o do produto de referência.

Leia também: Transplante de rim com hepatite C pode ser uma opção segura contra desperdício

Hepatite C

Segundo o Ministério da Saúde, a hepatite C é causada pelo vírus C (HCV), presente no sangue de pessoas infectadas. Entre as causas de transmissão estão a transfusão de sangue e o compartilhamento de material para uso de drogas (seringas, agulhas e cachimbos), para higiene pessoal (lâminas de barbear, escovas de dente e alicates de unha) ou para confecção de tatuagem e colocação de piercings.

A transmissão também pode acontecer da mãe infectada para o filho, durante a gravidez, e por sexo sem camisinha com uma pessoa infectada.

Ainda de acordo com a pasta, quando a infecção persiste por mais de seis meses, o que é comum em até 80% dos casos, caracteriza-se a evolução para a forma crônica da hepatite C. Cerca de 20% dos infectados cronicamente pelo vírus podem evoluir para cirrose hepática e cerca de 1% a 5%, para câncer de fígado.

Combate febre amarela e Zika

No início deste ano, pesquisadores da Fiocruz indicaram o sofosbuvir como um importante combatente ao vírus da febre amarela. Um estudo anterior, liderado pela mesma equipe do instituto, mostrou que a droga possui ação contra o vírus da Zika, inibindo a replicação viral e protegendo as células da infecção. No Canadá, uma outra pesquisa apontou eficácia do antiviral contra dengue.

Um dos motivos pelos quais um mesmo medicamento poderia combater hepatite C , dengue, zika e febre amarela, seria porque todos os vírus causadores das condições pertencem à mesma família, Flaviviridae .

Leia também: Governo vai oferecer novo tratamento para pessoas com hepatite C

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.