Tamanho do texto

Registros da doença concentram-se no município de Santa Maria, sendo que há ainda 212 casos em investigação; saiba como se prevenir da condição

Amostras de água com possível contaminação que pode estar causando a disseminação da toxoplasmose foram coletadas e estão sendo analisadas
shutterstock
Amostras de água com possível contaminação que pode estar causando a disseminação da toxoplasmose foram coletadas e estão sendo analisadas

Centenas de pessoas foram atingidas pelo surto de toxoplasmose na cidade de Santa Maria , no Rio Grande do Sul. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado, o número de casos cresceu 10,8% desde o úlimo dia 25, chegando a 510 casos da doença registrados. A pasta informa ainda que há 212 suspeitas da condição em investigação no município.

Do total de registros confirmados de toxoplasmose , 86,5% são de pessoas residentes em Santa Maria, o que equivale a 441 casos. No entanto, outros cinco registros correspondem a moradores de outros distritos e sete são pacientes que vivem em municípios vizinhos.

A infecção, também conhecida como “doença do gato”, desenvolve sintomas similares aos da gripe, mas em pessoas com imunidade comprometida, pode apresentar manifestações sistêmicas graves.

Entre os bairros que apresentam maior número de casos Tancredo Neves e Pinheiro Machado estão sob alerta das autoridades, com 63 casos cada um, o que representa 14,3% do total. Juscelino Kubitscheck, teve 44 notificações, com 10%; Centro, com 35 casos (7,9%); Nova Santa Marta, com 34 casos (7,7%) e Urlândia, com 26 casos (5,9%).

Leia também: Toxoplasmose não é perigosa apenas para grávidas; veja consequências da doença

Análise da água

Ainda de acordo com a secretaria, na semana passada, foram coletadas sete amostras de água em Santa Maria . Quatro amostras foram retiradas de açudes, duas de poços artesianos e uma em vertente d’água. Os técnicos também recolheram duas amostras de lodo dos reservatórios de água e duas de água dos reservatórios em localidades onde existem registros de casos confirmados.

O material foi encaminhado ao Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Sul para análise em primeira triagem. De lá, as coletas serão encaminhadas para a Universidade Estadual de Londrina, no Paraná, na próxima semana. Os resultados devem ser divulgados em até 15 dias.

Toxoplasmose

Conhecida como doença do gato, a toxoplasmose, de acordo com o Ministério da Saúde, é causada por um protozoário e apresenta quadro clínico variado – desde infecção assintomática a manifestações sistêmicas extremamente graves.

A infecção em humanos ocorre por três vias: contato direto com solo, areia e latas de lixo contaminados com fezes de gatos infectados; ingestão de carne crua ou mal cozida infectada (sobretudo carne de porco e de carneiro); e infecção transplacentária durante a gravidez.

A toxoplasmose não pode ser transmitida de humano para humano, com exceção das infecções intrauterinas. De acordo com a pasta, cerca de 40% dos fetos de mães que adquiriram a doença durante a gestação são infectados.

A orientação para se prevenir a  toxoplasmose  é evitar o uso de produtos animais crus ou mal cozidos; eliminar as fezes de gatos infectados em lixo seguro; proteger as caixas de areia; lavar as mãos após manipular carne crua ou terra contaminada; e evitar o contato de grávidas com gatos.

*Com informações da Agência Brasil

Leia também: Já se vacinou? Campanha de imunização contra gripe acaba nesta sexta-feira

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.