Tamanho do texto

Baixa cobertura vacinal colaborou para que essas doenças, que apresentaram queda em 2016, voltassem a afetar crianças em 2017

De acordo com a ONU, em março de 2017, mais de 25 mil casos de sarampo foram registrados no mundo
ONU
De acordo com a ONU, em março de 2017, mais de 25 mil casos de sarampo foram registrados no mundo

Casos de sarampo e poliomielite voltam a aumentar em todo o mundo em 2017, após queda em 2016. As informações são do relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Os números mostram que, nos quatro primeiros meses deste ano, foram registrados 79.329 casos de sarampo , contra 72.047 no mesmo período de 2017. Em relação à poliomielite, foram 54 casos a mais do que em 2016, o equivalente a 96 casos.

Outras doenças como difteria e Síndrome da Rubéola Congênita (SRC) também foram citadas pela organização. A primeira foi notificada mais de 16 mil vezes, com um aumento de mais de 9 mil casos comparados a 2016. Destes, 872 aconteceram na região das Américas.

Já a SRC, que é quando a infecção pelo vírus da rubéola acontece durante a gestação, geralmente no primeiro trimestre, pode comprometer o desenvolvimento do feto e causar aborto, morte fetal e anomalias congênitas. Em 2017 foram 830 casos, 367 a mais do que no ano anterior.

A OMS ressalta que todas essas doenças podem ser prevenidas com vacinas e que mais casos podem ter acontecido no mundo, tendo em vista que nem sempre é possível informar os dados com precisão.

Casos de sarampo pelo mundo

O pico da doença foi registrado no mês de março, quando foram identificados 25.493 casos. A maior parte dos registros da condição em 2018 foram identificados em países como Uganda e Nigéria, na África; Venezuela, nas Américas; Iêmen, Emirados Árabes Unidos, Síria, Sudão e Paquistão, no Mediterrâneo Oriental; Ucrânia, Sérvia, Rússia e Romênia, na Europa; Índia, Tailândia, Mianmar e Indonésia, no Sudeste Asiático; e Filipinas e Malásia, no Sudeste Asiático. Na região das Américas foram encontrados 775 casos.

Leia também: Em meio à epidemia de sarampo, Manaus decreta situação de emergência

De acordo com as informações da OMS, 85% das crianças em todo o mundo receberam a primeira dose da imunização no primeiro ano de vida, por meio dos serviços de saúde, e 67% foram vacinadas com a segunda dose.

Entretanto, o ideal é que 95% das crianças sejam protegidas contra a doença para evitar mortes evitáveis e alcançar metas de eliminação regional.

Surtos de sarampo no Brasil

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil enfrenta pelo menos dois surtos de sarampo – em Roraima e no Amazonas. Até o dia 27 de junho, foram confirmados 265 casos de sarampo no Amazonas, sendo que 1.693 permanecem em investigação. Já Roraima confirmou 200 casos da doença, enquanto 179 continuam em investigação.

Ainda segundo a pasta, casos isolados e relacionados à importação foram identificados nos estados de São Paulo (1), Rio Grande do Sul (6); e Rondônia (1). Outros estados têm casos suspeitos, mas que ainda não foram confirmados. Até o momento, o Rio de Janeiro informou oficialmente 18 casos suspeitos e dois casos confirmados de sarampo.

“O Ministério da Saúde permanece acompanhando a situação e prestando o apoio necessário ao Estado. Cabe esclarecer que as medidas de bloqueio de vacinação, mesmo em casos suspeitos, foram realizadas em todos os estados", diz o ministério.

Leia também: Secretaria de Saúde de Manaus confirma primeira morte por sarampo

Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) o certificado de eliminação da circulação do vírus, quando não havia mais casos de sarampo registrados.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.