Tamanho do texto

Adolescente de 15 anos morreu por complicações da doença no domingo (29); saiba como a doença age e veja como se proteger da infecção

Laura Bertajoni Vicente estava internada em Campinas desde o dia 20 de julho e morreu por febre maculosa
Reprodução/Facebook
Laura Bertajoni Vicente estava internada em Campinas desde o dia 20 de julho e morreu por febre maculosa

A cidade de Salto, no interior de São Paulo, registrou a primeira morte por complicações de febre maculosa neste ano. A adolescente Laura Bertajoni Vicente, de 15 anos, faleceu no domingo (29), mas estava internada em um hospital de Campinas desde 20 de julho, depois de queixar-se de dores de cabeça.

Leia também: Febre maculosa faz vítima em MG e cria impasse sobre presença de capivaras

De acordo com a TV TEM, além do diagnóstico de febre maculosa , a menina também teve choque séptico. O enterro aconteceu nesta segunda-feira (30).

A Prefeitura de Salto informou que a cidade registrou um caso positivo para a doença no início de 2018. Um morador foi infectado na região Norte do Brasil, mas foi tratado e se recuperou da condição.

De acordo com o último boletim informado pelo estado de São Paulo , divulgado antes do falecimento da garota, 14 mortes pela enfermidade foram notificadas neste ano, além de 32 casos de infecção. Em 2017, a doença causou 32 mortes. Foram ainda registrados 29 casos em que o paciente se recuperou da condição. Em 2016, as mortes chegaram a 64.

Leia também: Após ser picada por um carrapato, menina de cinco anos fica 12 horas paralisada

Entenda a febre maculosa

Carrapato-estrela é o responsável por transmitir a febre maculosa; a espécie costuma parasitar capivaras
shutterstock
Carrapato-estrela é o responsável por transmitir a febre maculosa; a espécie costuma parasitar capivaras

Essa é uma doença causada pela bactéria Rickettsia rickettsii e transmitida por picadas do carrapato-estrela , que costuma parasitar capivaras. A condição é infecciosa febril aguda de gravidade variável, cuja apresentação clínica pode variar de formas leves e atípicas até formas graves, com taxa de letalidade elevada.

O carrapato-estrela pode ser encontrado em várias regiões do país como Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Distrito Federal e parte da Bahia.

Há uma controvérsia entre os especialistas da área em relação à existência ou não de um espectro clínico da doença (variando de casos leves ou assintomáticos até casos graves, ou apenas casos graves).

Mas, entre os sintomas clássicos estão febre alta, dores abdominais e manchas no corpo, semelhantes ao sarampo. Se não tratada, a doença pode matar em até dez dias após o contágio.

O tratamento começa com o uso precoce de antibiótico (com doxiciclina, preferencialmente, ou cloranfenicol) e tem impacto importante na redução da letalidade da doença.

Leia também: Carrapato causa grave doença e muda completamente a vida de estilista

Veja como se prevenir em caso de risco de contato com carrapato:

  • Use roupas claras que facilitam a visualização dos carrapatos;
  • Proteja as partes do corpo expostas. Coloque as meias por cima da barra das calças e calce botas de cano alto, por exemplo;
  • Examine o corpo cuidadosamente a cada três horas - os carrapatos transmitem a bactéria causadora da febre maculosa, depois de algumas horas após a picada na pele;
  • Em caso de carrapato grudado na pele, retire-o com cuidado, fazendo uma leve torção para remover; 
  • C aso apresente algum dos sintomas da febre maculosa  em período de dois a 14 dias após frequentar áreas consideradas de risco para a doença, busque o serviço  médico.
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.