Tamanho do texto

Apesar de não tem cura, doença que causa manchas na pele pode ser controlada; saiba como fazer o tratamento do melasma e prevenir-se

Mariana Goldfarb fala sobre melasma em rede social
Reprodução/Instagram
Mariana Goldfarb fala sobre melasma em rede social

Manchas escuras na pele são mais do que uma questão estética. Uma das principais queixas nos consultórios de dermatologia, o melasma é uma doença que altera a cor da pele e não tem cura - mas pode ser controlada.

Leia também: Possível doença do goleiro Alisson, rosácea não tem cura mas pode ser controlada

Comum em mulheres entre 20 e 50 anos, quem convive com o melasma deve ter atenção redobrada com a exposição solar. No início da semana, a modelo Mariana Goldfarb publicou em seu perfil no Instagram um clique onde ela aparece sem filtro e maquiagem enquanto está viajando com o namorado, o ator Cauã Reymond, e gerou polêmica entre seus seguidores sobre os cuidados e efeitos da condição.

A publicação em que ela aparece com manchas na pele gerou polêmica - foram mais de 50 mil curtidas e 1.500 comentários - e muitos usuários questionaram a modelo sobre o uso do protetor solar.

Após as críticas, ela adicionou à legenda que usa filtro solar diariamente e ainda dá uma dica aos seguidores: “Se eu tivesse um conselho para você seria: use você também”. Em um vídeo postado nos stories de Goldfarb, ela fala melhor sobre a doença.

"Eu tenho melasma no bigode. Nunca foi um tabu e nem escondi. Uso protetor solar no fator máximo todos os dias. Só que a minha pele tem predisposição a ter sardas, e o melasma é mais difícil tratar. Quando tomo um pouco de sol ele fica mais forte. Claro que eu trato e quero ter uma pele saudável por muitos anos, mas fiquei feliz com a repercussão que a foto que postei teve porque acho que o recado foi dado e atingiu bastante gente. Porque o lance mesmo é a gente se olhar com mais carinho e entender que perfeição não existe. Nossa maior beleza está na nossa confiança, em como a gente se comporta, se você é autêntica", escreveu Mariana Goldfarb .

O que é melasma?

Aparecimento de manchas escuras na pele é mais comum em mulheres na idade fértil
shutterstock
Aparecimento de manchas escuras na pele é mais comum em mulheres na idade fértil

Segundo a biomédica Luciana Godinho, especializada em estética facial e corporal, o melasma é uma doença de pele que provoca o surgimento de diversas manchas escuras, normalmente no rosto, mas que também pode ocorrer em outras partes do corpo.

Apesar de ser mais comum em mulheres, homens também estão sujeitos à doença. O melasma não tem cura, mas tem tratamentos que diminuem as manchas, deixando-as menos aparentes.

“O melasma não tem uma única causa definida, mas sim um conjunto de ações. O principal deles é o excesso de exposição ao sol, por isso é tão importante o uso de filtro solar diariamente”, explica Godinho.

Porém, não é apenas da exposição solar que o melasma pode surgir na pele. Segundo a especialista, há indícios de que o problema possa acontecer devido ao uso de alguns medicamentos como o anticoncepcional, predisposição genética, além dos fatores hormonais. Além disso, a gravidez também pode provocar o surgimento das manchas.
A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) classifica como sintomas da condição manchas escuras ou acastanhadas na face, principalmente nas maçãs do rosto, testa, nariz e lábio superior (o chamado buço).

“Pode ocorrer também o melasma extrafacial, com aparecimento das manchas escuras nos braços, pescoço e colo. As manchas têm formatos irregulares e bem definidos, sendo geralmente simétricas (iguais nos dois lados). Muitas vezes, as pessoas com melasma podem agravar a condição com um tratamento ou procedimento inadequado, ocorrendo piora importante das manchas”, alerta a SBD.

Leia também: Salva por um aplicativo de celular, mulher descobre câncer de pele aos 37 anos

Como é feito o tratamento e prevenção?

Uso do protetor solar deve ser feito diariamente por pessoas que vivem com o melasma
shutterstock/Reprodução
Uso do protetor solar deve ser feito diariamente por pessoas que vivem com o melasma

“Se você se identificou com os sintomas, não há motivos para ficar desesperada”, tranquiliza a dermatologista Andréa Sampaio, da Clínica Dermasense. Segundo ela, o tratamento do melasma é difícil e deve ser feito por um dermatologista capacitado. “Há algumas modalidades de tratamento descritas como peelings seriados e microagulhamento, feitos em consultório médico. O tratamento do melasma sempre devem estar acompanhados de tratamento em domicílio com despigmentantes e protetores solares de amplo espectro”, explicou.

Para a biomédica Luciana Godinho, o peeling é um tratamento muito eficaz para eliminar de vez as manchas da pele. “No peeling, são aplicados ácidos sobre a pele, ajudando a remover as camadas danificadas e células mortas por meio da descamação. O procedimento incentiva o surgimento de uma camada de pele lisa, elástica, suave e com viço”, esclarece.

A biomédica ainda confirma que os resultados são visíveis já na primeira sessão. Além de eliminar as manchas do melasma no rosto, o peeling promove o aumento da produção de colágeno e hidratação da pele.

A prevenção neste caso é o mais importante, já que trata-se de doença crônica, de difícil tratamento. É importante uso de filtros solares, especialmente aqueles com cor ou proteção contra a luz visível, chapéus ou viseiras. Mas é indispensável o acompanhamento com um dermatologista periodicamente.

Leia também: Câncer de pele melanoma: o que causa e quando devo me preocupar?

"Já que o sol pode causar as manchas de melasma no rosto, o ideal é se proteger sempre, utilizando bonés, chapéus, visores e, principalmente, o protetor solar no rosto e no corpo, com fator de proteção acima de 30. E, a qualquer sinal diferente, procure um dermatologista, pois o melasma pode mascarar um câncer de pele. Como são manchas escuras, podem dificultar a identificação de um melanoma, por exemplo”, finalizou Sampaio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.