Tamanho do texto

Teste detecta proteína glucosepana que é liberada quando as articulações são danificadas; entenda como funciona o tratamento da osteoartrite

Artrose é o tipo de reumatismo mais comum, representando cerca de 30% a 40% das consultas em ambulatórios de reumatologia
shutterstock
Artrose é o tipo de reumatismo mais comum, representando cerca de 30% a 40% das consultas em ambulatórios de reumatologia

Um simples exame de sangue poderá ser capaz de detectar osteoartrite dois anos antes de qualquer sintoma da doença se manifestar. Pesquisadores da Universidade de Liège, na Belgica, e da Universidade de Warwick, no Reino Unido, acreditam que o teste que identifica a artrose , como também é conhecida a condição, pode ser lançado em 2020.

Leia também: Nove genes que podem estar ligados à artrose devem ajudar em novos tratamentos

O mais interessante, segundo os desenvolvedores do exame, é que, com apenas uma única gota de sangue, será possível revelar o diagnóstico de artrose com 98% de exatidão.

Isso porque a partir deste material, será analisado a quantidade de um fragmento de proteína liberado na corrente sanguínea por dano articular.

Há três anos as duas instituições encontraram, pela primeira vez, a proteína glicosepane em pessoas com artrose e concluíram que ela era liberada no sangue quando as articulações começam a ser danificadas pela artrose.

Agora, um novo estudo comparando 66 pacientes com osteoartrite com 29 pessoas saudáveis ​​descobriu que os níveis de glucosepane são 38% mais altos entre os que estão nos estágios iniciais da doença. A proteína é seis vezes maior em quem tem osteoartrite severa.

Para Naila Rabbani, da Universidade de Warwick Medical School, o estudo é “bastante promissor”. “Este teste pode identificar a artrose dois anos antes de qualquer sintoma e três a quatro anos antes da dor grave", revelou. O próximo passo é testá-lo em um número maior de pacientes.

A artrose é a mais frequente entre os reumatismos, representando cerca de 30% a 40% das consultas em ambulatórios de reumatologia, segundo dados da Sociedade Brasileira de Reumatologia.

A doença articular degenerativa desgasta o tecido flexível nas extremidades dos ossos e atinge mais de um em cada quatro adultos em todo o mundo. E, apesar de não ter cura, medicamentos podem ajudar a aliviar os sintomas - que pioram progressivamente com o tempo.

Muitas vezes, a condição é diagnosticada em um estágio tão tardio que a única solução é a substituição de quadril ou joelho.

Contudo, o teste pode ajudar as pessoas a identificar a doença precocemente, para que possam fazer mudanças no estilo de vida, como perder peso ou fazer exercícios, a fim de tentar evitar os sintomas debilitantes mais tarde.

Leia também: Artrose atingirá 12,3 milhões de pessoas no Brasil até 2015

Impacto na qualidade de vida

A partir dos 75 anos, 85% das pessoas têm evidência radiológica ou clínica de artrose
shutterstock
A partir dos 75 anos, 85% das pessoas têm evidência radiológica ou clínica de artrose

Mesmo com alguns tratamentos disponíveis, é possível que a osteoartrite cause certas limitações ao paciente. Por ser uma condição que provoca o desgaste da cartilagem que recobre as extremidades dos ossos e que danifica outros componentes articulares, a doença é conhecida por ser a quarta enfermidade que mais reduz a qualidade de vida para cada ano vivido, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os prejuízos causados pela artrose podem desgastar a cartilagem articular, que promove o deslizamento sem atrito entre as extremidades ósseas durantes os movimentos. Sendo assim, danos causados pela condição podem gerar dor, inchaço e limitação funcional, principalmente nas juntas das mãos, coluna, joelhos e quadris.

Para se ter ideia do quão debilitante a enfermidade pode ser, a Sociedade Brasileira de Reumatologia ressalta que, a partir de dados da previdência social no Brasil, é possível perceber que 7,5% dos afastamentos do trabalho são causados pela doença, que é a segunda entre as que justificam o auxílio-inicial.

A SBR afirma também que a condição não é tão comum antes dos 40 anos, mas passa a ser frequente após os 60 anos. A partir dos 75 anos, 85% das pessoas têm evidência radiológica ou clínica da doença, mas somente 30% a 50% dos indivíduos com alterações observadas nas radiografias reclamam de dor crônica, conforme informa a organização.

Tratamentos da artrose

 O tratamento de artrose pode ser feito com analgésicos simples, anti-inflamatórios não esteroides até narcóticos
shutterstock
O tratamento de artrose pode ser feito com analgésicos simples, anti-inflamatórios não esteroides até narcóticos

Para aliviar os sintomas da condição, muitos médicos indicam a utilização de medicamentos que podem ir desde analgésicos simples, anti-inflamatórios não esteroides até narcóticos como tratamento da artrose .

Os analgésicos simples podem minimizar a dor em pessoas com graus leves e moderados de dor da doença. No entanto, o uso dessas drogas não interfere na inflamação.

Já os anti-inflamatórios podem diminuir a inflamação, além de aliviar a dor. Mas nem todo mundo consegue ter uma resposta positiva e que valha à pena aos fármacos desse grupo. Por causar muitos efeitos colaterais, como dor de estômago, zumbido nos ouvidos, problemas cardiovasculares, lesões no fígado e nos rins, a adaptação não é muito popular. Em idosos os riscos de complicações aumenta.

Algumas terapias são recomendadas para fortalecer os músculos que conectam os ossos afetados, como fisioterapia e terapia ocupacional. A prática de exercícios tem exatamente essa função e, com a prática, a amplitude do movimento é maior e a dor menor. Com um terapeuta ocupacional é possível aprender outras maneiras de realizar tarefas de simples, feitas anteriormente sem sofrimento, de maneira que as articulações já dolorosas não fiquem estressadas.

Quando esses tipos de práticas não funcionam, é possível partir para infiltrações, como injeções de cortisona, que aliviam a dor articular. Nesse caso, a área em torno da articulação é anestesiada e, em seguida, uma agulha perfura a articulação e injeta a medicação. No entanto, essa técnica é limitada, pois pode agravar lesões articulares ao longo do tempo.

Injeções de ácido hialurônico também são indicadas no alívio da dor, fornecendo amortecimento em sua articulação. Esses agentes são semelhantes a componentes encontrados normalmente em seu líquido articular.

Há também quem opte por procedimentos cirúrgicos. O realinhamento dos ossos pode ser útil para alinhar o membro afetado por meio de um corte no osso, assim, a dor pode diminuir, já que o peso do corpo é deslocado para longe da parte desgastada.

Leia também: Nova droga para artrite reumatoide ajuda quem não responde a remédio tradicional

Em alguns casos é possível que haja a substituição da articulação, que é quando o cirurgião remove as superfícies articulares danificadas e as substitui por próteses. O procedimento de cirurgia de artrose é mais comum nos quadris e joelhos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.