Tamanho do texto

Droga causou doença congênita em milhares crianças nos anos 1950 e 1960 e, até o momento, ciência não havia encontrado resposta para o fenômeno

Filhos de mães que receberam a prescrição de Talidomida nos primeiros três meses de gestação tiveram complicações
shutterstock
Filhos de mães que receberam a prescrição de Talidomida nos primeiros três meses de gestação tiveram complicações

Milhares de recém-nascidos em todo o mundo foram afetados pelos efeitos graves da talidomida. Depois de mais de 60 anos sem explicação, cientistas conseguiram finalmente entender a razão pela qual a  droga causou a malformação dos membros em tantos bebês.

Leia também: talidomida continua a causar defeitos físicos em bebês no Brasil

Receitada inicialmente em casos de problemas de estômago, insônia e ansiedade, a talidomida surgiu na Alemanha Ocidental, em 1957. Pouco tempo depois, a droga se popularizou e passou a ser indicada amplamente para grávidas que desejavam diminuir enjoos matinais.

Só no país de origem do medicamento, estima-se que 7 mil bebês nasceram com malformações nas pernas e braços ou com membros totalmente ausentes - sem contar os milhares de casos em que as gestantes perdiam os bebês.

Além disso, outros 100 mil bebês ao redor do mundo, incluindo o Brasil, também nasceram com a mesma  doença congênita , conhecida como focomelia. Apenas 40% dos bebês da Alemanha Ocidental e 50% dos nascidos em outros países sobreviveram.

Contudo, pesquisadores do Instituto norte-americano do Instituto de Câncer Dana Farber conseguiram identificar o que a droga causa no organismo. Segundo o estudo, a talidomida interfere nas proteínas de transcrição, que pode bloquear um gene essencial ao desenvolvimento dos membros.

Segundo os investigadores, a talidomida adultera as proteínas que controlam a expressão do gene SALL4, determinante no desenvolvimento dos membros durante a gravidez e a codificação de uma rede de outras características.

Para chegar a essa descoberta, os cientistas tiveram que analisar pessoas que nunca tinham sido expostas à substância mas que tinham malformações muito semelhantes, e que apresentavam igualmente uma falha nesse gene.

Leia também: Fabricante alemã de talidomida pede perdão a vítimas com malformação

Efeitos da talidomida

Pesquisadores pretendem estudar a fórmula da talidomida para usá-la no tratamento de hanseníase e câncer
Pixabay/Creative Commons
Pesquisadores pretendem estudar a fórmula da talidomida para usá-la no tratamento de hanseníase e câncer

Quando se descobriu que a ingestão de um único comprimido nos três primeiros meses de gestação causa a focomelia, em 1961, a fórmula do medicamento foi retirada do mercado de consumo mundial.

No entanto, depois de quatro anos, cientistas descobriram que a droga poderia ser benéfica para o tratamento de estados reacionais em hanseníase. Mais tarde, pesquisadores ainda descobrirm inúmeras outras maneiras de se utilizar a fórmula, por exemplo, em terapias para pessoas que vivem com HIV, lúpus, doenças crônico-degenerativas como o câncer e até mesmo transplante de medula.

Por isso, para o Dr. Eric Fischer, do Instituto de Câncer Dana Farber, compreender os alvos da droga no organismo pode ajudar a entender melhor como a talidomida afeta vários genes e poderá abrir caminho para novas aplicações benéficas à saúde.

Agora que os cientistas conhecem a parte da talidomida que causa a doença congênita, é possível começar a reformular uma droga similar para agir no combate ao câncer, sem os efeitos colaterais causados anteriormente. 

Leia também: O homem que passou 43 anos em uma cadeira de rodas por um diagnóstico errado

"Meu laboratório está profundamente envolvido no desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas que se baseiam no mesmo mecanismo de ação que a talidomida.  Estamos buscando muitos projetos que visam uma melhor compreensão e derivatização da droga”, declarou Fischer.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.