Tamanho do texto

Desse total, 4 óbitos poderiam ser evitados, segundo relatório feito pelo Instituto de Pesquisa Feluma e pelo IESS; entre as principais causas estão pneumonia, erro no uso de medicamentos e complicações cirúrgicas

Levantamento mostrou que em 2017, 148 pessoas morreram por erro médico todos os dias
shutterstock
Levantamento mostrou que em 2017, 148 pessoas morreram por erro médico todos os dias

A cada hora, 6 pessoas morrem em hospitais públicos e privados do Brasil por culpa dos chamados “eventos adversos graves”, ocasionados por algum tipo de erro médico, falhas assistenciais ou processuais ou infecções. Desse total, mais de quatro mortes seriam evitáveis.

Leia também: Postos de saúde não têm estetoscópio, máscaras e termômetros, aponta CFM

Ao fim do dia, são 148 pacientes que vão à óbito por erro médico , resultando em 54.076 vidas perdidas no ano. As informações fora divulgadas nesta quarta-feira (15) pelo 2° Anuário da Segurança Assistencial Hospitalar no Brasil, produzido pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) e pelo Instituto de Pesquisa Feluma, da Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais.

Entre os eventos adversos graves registrados com mais frequência pelo documento estão septicemia (infecção generalizada), pneumonia, infecção do trato urinário, complicações com acessos, lesões por pressão,  como hemorragia e laceração.

Além disso, entre os principais eventos adversos graves, cinco não contam com qualquer programa de prevenção ou combate, tanto no SUS quanto na rede privada: parada cardiorrespiratória prevenível; insuficiência renal aguda; aspiração pulmonar; hemorragia pós-operatória; e, insuficiência respiratória aguda.

Ainda que não haja base de comparação com os resultados do Anuário, devido à adequação do processo metodológico, é possível afirmar que as estimativas apontadas no relatório são “conservadoras”.

Isso porque os resultados foram calculados com base em uma amostra de mais de 450 mil pacientes internados em hospitais públicos e privados de municípios de grande porte e com IDH acima da média nacional ao longo de 2017.

“O fato de os hospitais analisados no estudo serem considerados ‘de primeira linha’ e apresentarem esses números indica que a média nacional projetada a partir da amostra estudada provavelmente está subestimando o problema. É possível que ainda mais brasileiros morram por eventos adversos do que o detectado”, pondera Carneiro.

“Os eventos adversos são inerentes a qualquer serviço de saúde , mesmo nos melhores e mais sofisticados sistemas do mundo. Não se trata, portanto, de buscar culpados, mas, de propor medidas que enfrentem o problema. Por isso, propomos agenda focada em investimentos em processos e controles e em políticas públicas de qualidade assistencial e de segurança do paciente”, considera Renato Couto, médico, professor da Pós-graduação da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, diretor do IAG Saúde e um dos responsáveis pelo Anuário.

O superintendente executivo do IESS, Luiz Augusto Carneiro, acrescenta a necessidade de se avançar em uma agenda de transparência do sistema de saúde, exatamente para que os usuários do sistema possam fazer as melhores escolhas.

“No Brasil, temos proporcionalmente mais eventos adversos do que outros países e, mais grave, a falta de transparência de informações de qualidade e desempenho impede a comparação entre os prestadores, o que é ruim para o sistema e para o cidadão”, analisa.

“Nosso objetivo está em avançar em uma agenda de transparência para colaborar para as escolhas de quem usa o sistema de saúde”, sustenta.

Os autores do levantamento destacam que ele tem o objetivo de mensurar os problemas assistenciais e gerenciais hoje vividos pelas estruturas de saúde do Brasil e, a partir daí, sugerir medidas de aperfeiçoamento do sistema.

Leia também: Bactéria hospitalar não consegue ser eliminada com álcool, mostra pesquisa

Óbitos por erro médico causam impacto econômico

Focar internações em centros de excelência maiores, ao invés de distribuir leitos poderia reduzir mortes por erro médico, diz especialista
Marcelo Casal/EBC
Focar internações em centros de excelência maiores, ao invés de distribuir leitos poderia reduzir mortes por erro médico, diz especialista

Além das vidas perdidas, esses eventos consumiram R$ 10,6 bilhões apenas do sistema privado de saúde, conforme projeta o levantamento.

Não foi possível estimar as perdas para o SUS porque os valores pagos aos hospitais se originam das Autorizações de Internações Hospitalares (AIHs) e são fixados nas contratualizações, existindo outras fontes de receita não operacionais, com enorme variação em todo o Brasil.

O superintendente executivo do IESS aponta que um dos principais determinantes para esse desperdício é o modelo de remuneração de prestadores de serviço adotado no País, o fee-for-service.“Estamos premiando o desperdício”, resume.

“No modelo fee-for-service, as organizações inseguras, com maior incidência de eventos adversos e que apresentam piores índices de recuperação da saúde dos pacientes, são recompensadas com um aumento das receitas pelo retrabalho”, pondera.

“Nos Estados Unidos, por exemplo, o governo não paga, desde 2008, pelos gastos gerados por 14 tipos de eventos adversos”, aponta Couto. “É natural que se os gastos partiram de um erro do hospital, a entidade arque com esses custos adicionais ao invés de transferi-los ao paciente que já está sentindo o problema da pior maneira possível, na própria saúde”, completa.

O Anuário aponta que uma das principais dificuldades estruturais para essa mudança está nas regras que regem o sistema de saúde suplementar. A norma definida pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) restringe o descredenciamento de prestadores, exigindo substituição equivalente ou superior, inibindo a concorrência.

Como não há indicadores de qualidade e transparência no setor, até mesmo esse critério pode ser aperfeiçoado a partir da publicidade dessas informações.

Esse problema também determina um elevado impacto em leitos-dia para o sistema de saúde brasileiro, uma vez que essas situações também impactam no tempo de recuperação dos pacientes. Impedindo que mais pacientes sejam atendidos.

De acordo com o estudo, cada evento adverso grave determina a extensão do período de internação em média em 14,4 dias (16,4 dias para pacientes no SUS e 10,5 dias para pacientes na rede privada).

Com isso, ao longo de 2017, foram consumidos 14,3 milhões de leitos-dia em função de eventos adversos. Sendo 4,7 milhões em razão de eventos adversos graves.

“Considerando o período normal de internação para pacientes que não passaram por eventos adversos encontrados no estudo, de 6 dias para o SUS e 3,5 dias para a rede privada, conseguiríamos atender aproximadamente mais 7,7 milhões de pacientes [2,9 milhões relacionados a eventos adversos gerais e mais 4,7 milhões relacionados a eventos adversos graves] sem aumentar os gastos ou ampliar a rede”, destaca Couto.

O médico e pesquisador do Feluma alerta, ainda, que o Brasil contou com 165,9 milhões de leitos-dia em 2017, mas só utilizou 96,6 milhões. Uma ociosidade de 41,8%. “Está claro que precisamos repensar a distribuição da rede de saúde”, argumenta Couto.

Leia também: SUS perde mais de 34,2 mil leitos hospitalares em oito anos, segundo CFM

“O racional seria focarmos as internações em centros de excelência maiores, ao invés de distribuir leitos por todas as cidades. Isso contribuiria para a racionalidade do sistema, reduzindo custos e concentrando profissionais qualificados em ambientes com maior controle de processos", pontua Couto, que acredita ser esse o caminho para reduzir também o volume de ocorrências de mortes por erro médico .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.