Tamanho do texto

Ao todo, 39 milhões de brasileiros sofrem com a perda total ou parcial dentária, sendo que uma em cada cinco dessas pessoas tem entre 25 e 44 anos; confira dez dicas de como fazer a manutenção da higiene bucal

A perda dos dentes é colocada como o segundo fator que mais atrapalha a qualidade de vida dos entrevistados
Shutterstock/Divulgação
A perda dos dentes é colocada como o segundo fator que mais atrapalha a qualidade de vida dos entrevistados

No Brasil, 16 milhões de pessoas vivem sem nenhum dente, sendo que 41,5% das pessoas com mais de 60 anos perderam todos eles. Contudo, perder os dentes não é um problema exclusivo dos idosos: no total, 39 milhões de brasileiros usam próteses dentárias, sendo que uma em cada cinco delas tem entre 25 e 44 anos.

Leia também: O que é a cárie dental?

Os dados são do estudo Percepções Latino-americanas sobre Perda de Dentes e Autoconfiança, feito pela Edelman Insights. A pesquisa, que ouviu 600 latino-americanos, entre eles 151 brasileiros, constatou que perder os dentes é o segundo fator que mais prejudica a qualidade de vida de pessoas entre 45 e 70 anos.

O processo é traumático, principalmente para as pessoas mais jovens. Por embaraço e falta de informação, o acesso ao tratamento é limitado e falta profissionais de saúde qualificados para orientar a população. Para 32% dos entrevistados, a perda de dentes os impede de ter um estilo de vida saudável e ativo.

“É preciso compreender as dificuldades enfrentadas pelas pessoas que perderam os dentes e ajudá-las a encontrar um bom especialista que as auxilie na escolha de uma prótese adequada, de boa qualidade”, pontuou a odontogeriatra Tânia Lacerda, integrante da Câmara Técnica de Odontogeriatria do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo.

Segundo a pesquisa, 52% dos participantes disseram que a perda de dentes deixou a aparência do seu rosto pior; 43% afirmaram que a perda de dentes lhes atrapalha namorar ou paquerar; e 21% disseram que a condição lhes impediu de fazer novos amigos.

Sobre autoestima e fala, 38% dos entrevistados manifestaram se sentirem mais inseguros para ir a festas e eventos sociais; e 41% relataram mais dificuldade na pronúncia das palavras após a perda de dentes.

Leia também: Entenda de onde vem a sensibilidade nos dentes

Cuidados com os dentes

Escolher a escova ideal ajuda a realizar a limpeza de todos os dentes da melhor maneira possível
FreePik
Escolher a escova ideal ajuda a realizar a limpeza de todos os dentes da melhor maneira possível

Um sorriso costuma ser a primeira coisa a ser observada em uma pessoa, portanto, mantê-lo saudável é fundamental para causar um impacto positivo. Mas, além da aparência agradável, os cuidados com a higiene bucal podem evitar preocupações mais graves, como doenças cardíacas e até acidente vascular cerebral (AVC).

Se considerando todos os tipos de germes e bactérias que a boca é exposta todos os dias, podemos dizer que ela é uma das áreas mais sujas do corpo. Desde comer com os dedos, mastigar a caneta em um momento de distração ou até mesmo beijar entes queridos são hábitos que podem causar problemas para a saúde bucal como mau hálito, gengivite e até inflamações mais graves.

Pior ainda, quando a higiene dental é muito precária, as bactérias da boca podem viajar por meio da corrente sanguínea e causar problemas de inflamação em outras áreas do corpo, como o coração e o cérebro.

Em comemoração ao Dia Mundial da Saúde Oral , celebrado nesta segunda-feira (20), o diretor clínico do Bupa Dental Services no Reino Unido, Steve Preddy, compartilhou suas principais dicas para manter uma boca saudável e evitar complicações dentária.

  • Enxaguar ou cuspir?  Para alguns, essa primeira dica pode surpreender, mas de acordo com Preddy, o ideal é cuspir, não enxaguar. "O excesso de pasta de dente deixada na boca após a escovação forma uma camada protetora em torno dos dentes, por isso é melhor não enxaguar", explicou ele.
  • Escolha a pasta de dente correta. Qualquer pasta de dentes que contenha flúor é recomendável, mas para quem tem algum tipo de sensibilidade, existem produtos específicos que irão ajudar.

"Quem acabou de ter um tratamento de clareamento, pode querer usar um creme dental com função de branqueamento para ajudar a prolongar os efeitos”, pontuou o diretor clínico.

  • Elétrica ou manual? Se você já viu aquelas escovas de dente elétricas e está em dúvida se elas realmente podem substituir as tradicionais, não se preocupe. Preddy explica que o objetivo de escovar os dentes é remover a placa bacteriana e ambas vão fazer isso, mas as escovas eletrônicas vão tornar esse trabalho muito mais fácil.

No entanto, ele alerta: "É uma boa ideia falar com um dentista ou higienista sobre a maneira correta de usar a escova de dente elétrica para obter melhores resultados."

  • O que causa mau hálito? Ao observar que o mau hálito continua, mesmo com uma escovação regular, pode ser um indício de que há um problema mais grave.

Para Preddy, normalmente mau hálito é causado por um acúmulo de bactérias na boca e isso pode ser consequência de uma série de fatores, incluindo gengivite, - onde a gengiva se separa do dente, deixando mais espaço para as bactérias crescerem -língua áspera que retém bactérias, e outras infecções orais.

Há ainda outras complicações, como refluxo gástrico e problemas de estômago, que podem contribuir para que o hálito não seja tão agradável.

"Fumar, consumir bebidas alcoólicas e beber café também podem causar mau hálito, assim como manchar os dentes. Para evitar esse incomodo, escove os dentes com frequência, faça bochechos, vá regularmente ao seu dentista", orienta o diretor clínico.

  • O que significa sangue na gengiva?  Para o especialista, sangramentos nas gengivas é um sinal de gengivite, que geralmente é causada por um acúmulo de placa bacteriana nos dentes. "A boa notícia é que há tratamento, se for detectado nos primeiros estágios da doença.”
  • O que fazer se tiver gengivite? Essa é uma inflamação nas gengivas causada pela placa bacteriana ou tártaro, que as irrita e as faz sangrar. Para o tratamento, o especialista indica uma limpeza profissional com um dentista e manter a boa higiene bucal em casa.
  • Por que os dentes ficam sensíveis? A sensibilidade é causada pelos alimentos e bebidas consumidos. "Há uma série de motivos para se ter dentes sensíveis, incluindo uma dieta ácida, muitas frutas ou bebidas efervescentes.

Escovar os dentes usando muita força ou batê-los uns contra os outros também pode ajudar a aumentar a sensibilidade”, explica Preddy.

A dica para quem sofre com esse problema é consultar um dentista e tentar usar creme dental específico para esse problema.

  • Açúcar x dentes. "Todos sabemos que os alimentos açucarados são ruins para os dentes porque podem causar decomposição. O que não é tão conhecido é que, não importa a quantidade de açúcar que você ingere, e sim, a frequência que faz isso”, alerta o especialista.

Preddy ainda complementa dizendo que, em todas as refeições, as bactérias já presentes nos dentes produzem ácidos que causam cárie dentária e isso acontece por cerca de meia hora. Por isso é importante tentar limitar o consumo de açúcar nos alimentos entre as refeições.

  • Corte as bebidas gaseificadas . Refrigerantes e águas aromatizadas contêm certos ácidos que, ao longo do tempo, podem danificar os dentes. "Bebidas diet também são ruins para a dentição, por isso, o ideal é não consumí-las o tempo todo”, indicou o dentista.
  • Não há idade para começar a ir ao dentista. "É uma boa ideia os pais trazerem os filhos em suas consultas odontológicas para que a criança se acostume com os procedimentos dentários e o dentista", incentivou Preddy. 

Leia também: Você sabia que infecção no dente pode chegar ao cérebro?

Nessas ocasiões, o dentista pode dar uma olhada rápida nos dentes da criança, ou gengivas (se o bebê não desenvolveu a dentição ainda), e pode ajudar os pais com dicas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.