Tamanho do texto

Após notícia de 12 casos suspeitos da doença em duas escolas em Ceilândia e Taguatinga, secretário de Saúde afirma que a situação está "sob controle"

Duas escolas registraram casos de suspeita da gripe no Distrito Federal, mas secretaria nega surto de H1N1
ALISSON GONTIJO - 16.11.10
Duas escolas registraram casos de suspeita da gripe no Distrito Federal, mas secretaria nega surto de H1N1

Depois de registrar 12 suspeitas de caso de gripe H1N1 no Distrito Federal, a secretaria de Saúde negou nesta terça-feira (2) que haja um surto de H1N1 na unidade federativa.

Leia também: Fake news: não existe vírus da gripe H2N3 circulando no Brasil, diz ministério

“Nós não temos nenhum tipo de surto de H1N1 , a situação está absolutamente sob controle. Não há necessidade de nenhuma instituição de ensino fechar as portas ou suspender aulas”, afirmou o secretário de Saúde do DF, Humberto Fonseca, durante coletiva de imprensa.

Dos 12 casos apresentados – e divulgados pela imprensa local - como suspeitos em duas escolas, sendo quatro em Ceilândia e oito em Taguatinga, não houve uma única confirmação da existência do vírus da gripe e apenas um deles foi oficialmente notificado à secretaria na noite desta segunda-feira (1º). Segundo o secretário, todos os casos passaram por uma mesma instituição privada de saúde em Taguatinga.

“Nessas crianças foram feitos testes rápidos, que são testes de triagem cuja qualidade ainda está sendo averiguada, e que não permitem o diagnóstico. Então não temos nenhuma confirmação em relação a essas 12 crianças de H1N1”, disse o secretário.

Leia também: Até 650 mil pessoas morrem por conta da gripe anualmente, afirma OMS

O teste feito nas crianças está sendo analisado pela vigilância epidemiológica junto com o Laboratório Central de Brasília.

A secretaria estuda autuar a instituição de saúde que atendeu as crianças por não ter notificado a suspeita da doença para a vigilância epidemiológica, procedimento obrigatório no caso de suspeita de H1N1 . O secretário disse que os 12 casos suspeitos serão averiguados.

“Nós vamos procurar essas 12 crianças que tiveram esses casos noticiados pela imprensa para fazer o teste de verdade, que é o teste de cadeia de polimerase para identificar o DNA viral para saber se houve a infecção por esse vírus”, disse Fonseca.

Leia também: Estudo revela fatores que aumentam risco de morte por H1N1

Este ano o Distrito Federal registrou 524 casos de síndrome respiratória aguda grave, com um total de 16 óbitos em decorrência da doença. Desses casos 68 foram confirmadas como gripe H1N1, com seis óbitos registrados em função da doença. Nenhum dos casos configura surto de H1N1 .

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.